Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    26/03/2018

    PONTA PORÃ LINHA DO TEMPO| Retratos de uma história

    Imagem Casal Dom Francisco Rodrigues e esposa Joaquina Trindad Rodrigues. Foto década de 30 - Foto Arquivo da Família Rodrigues. Acervo de Carlos Morel
    Dentro dos grandes produtores de erva mate do sul de Mato Grosso neste período histórico da exploração e produção, também se destacava na região fronteiriça de Ponta Porã (BR) e Pedro Juan Caballero (PY), Dom Francisco Rodrigues e seu irmão Miguel Rodrigues produtores ervateiros de origem Uruguaia. 

    A família Rodrigues tem raízes hispânicas, originários de Salamanca que é uma província da histórica Região de Leão, na Espanha, a maior riqueza existente em Salamanca, seja sua história secular, onde ocorreram fatos épicos que ficaram registrados na formação europeia, o explorador e navegante Cristóvão Colombo (descobridor da América), segundo registros ele mesmo chegou a passar pela cidade. 

    Salamanca teve papel de relevância no período medieval à presença forte da inquisição, conflitos e conquistas de judeus, portugueses, árabes e tantos outros mais compuseram seu quadro histórico, devido sua localização geográfica sofreu uma grande influência de correntes celtas, estes eram grandes navegantes exploradores no período mais antigo. Talvez seja por esta peculiaridade histórica e cultural que venha sua significação, Salamanca, na tradução conhecida como o local onde se reúnem as “bruxas”. 

    Desta maneira e compreensível o entendimento da alma impetuosa da Família Rodrigues, imigrantes que se aventuraram no novo mundo em especial no Uruguai, no sangue o espirito de aventura desbravaram o sul de Mato Grosso (atual Mato Grosso do Sul), fundaram estâncias e grandes fazendas produtoras de erva mate, e para homenagear e valorizar suas raízes, uma destas propriedades ervateiras ficou denominada “Fazenda Salamanca” na região do município de Aral Moreira, que neste período pertencia ao município de Ponta Porã, a mesma se localiza próxima ao famoso “Rio Emboscada” que leva esse nome por ser ali o palco de um dos principais conflitos da Guerra do Paraguai “GUERRA GUAÇU” ou Tríplice Aliança, entre o exército comandado pelo próprio Solano Lopez e exércitos da Aliança, formado pelos países Brasil, Argentina e Uruguai. 

    “A globalização diminuiu as distâncias existentes entre as fronteiras, as mesmas fronteiras que se tornam barreiras que interrompem a imigração”. Prof. Yhulds Giovani Bueno 
    Pesquisador: Professor Yhulds Giovani Bueno - Pós-graduado em Ensino de História e Geografia - UNIVALE Faculdades Integradas do Vale do Ivaí - Mestrando PPGDRS/UEMS/UNIDADE PONTA PORÃ-MS. 



    Imprimir