Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    26/06/2018

    Deputados festejam 'musa do veneno' após aprovação de uso de agrotóxico

    A presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária, Tereza Cristina (DEM-MS), chefiou a comissão que aprovou o projeto de lei, chamada pela oposição de "PL do Veneno"

    ©Marcos Oliveira/Agência Senado
    Em festa pela aprovação do projeto que facilita o uso de agrotóxicos, deputados da bancada ruralista deram um novo apelido à presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária, Tereza Cristina (DEM-MS): "Musa do Veneno". Ela ganhou o epíteto, irônico, em jantar na noite desta segunda (25), num dos restaurantes preferidos dos congressistas em Brasília. A deputada chefiou a comissão que aprovou o projeto de lei, chamada pela oposição de "PL do Veneno". 

    Numa longa mesa em formato de "u", em restaurante à beira do lago Paranoá, os ruralistas comemoraram a vitória com vinho, bacalhau e discursos inflamados. A Folha acompanhou o encontro. "Nós ganhamos a batalha, mas ainda temos uma guerra", disse Cristina. 

    A batalha começou em maio, quando o deputado Luiz Nishimori (PR-PR), sentado a duas cadeiras da parlamentar, apresentou seu relatório favorável à mudança da legislação de agrotóxicos. O texto, muito criticado por ambientalistas e entidades de saúde como a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), cria um rito sumário para o registro de agrotóxicos.

    Também prevê a mudança na nomenclatura do produto, que passa a se chamar "pesticida". Além disso, o Ministério da Agricultura assume o processo de registro dos agrotóxicos. Ainda passa a existir um prazo máximo para que novos produtos sejam analisados pelo governo. Se isso não ocorrer em até dois anos, eles receberão um registro provisório. Segundo a bancada, as mudanças modernizam as normas do setor. Eles dizem que a atual legislação de agrotóxicos está defasada e impede que produtos mais modernos cheguem ao mercado.

    Apesar de os ruralistas serem maioria na comissão, o projeto de lei custou a ser aprovado. Isso ocorreu nesta segunda, quando o colegiado se reuniu por cerca de oito horas sem ser interrompido. A Câmara estava mais vazia por causa do jogo do Brasil na próxima quarta (27). "Vocês que estão comendo aqui essa comida, essa alface, sabem que está tudo bem", disse o relator Nishimori no jantar. Ele agradeceu às entidades e aos parlamentares presentes.

    "Eu não bebo, mas hoje eu bebi bastante", empolgou-se, erguendo a taça para um brinde. Foi aplaudido. Em clima festivo, o jantar dos ruralistas reuniu pelo menos 40 pessoas. Além de parlamentares ligados ao agronegócio, como Valdir Colatto (MDB-SC), Marcos Montes (PSD-MG), Osmar Serraglio (MDB-PR) e Nilson Leitão (PSDB-MT), estavam presentes representantes de entidades como Aprosoja (Associação Brasileira dos Produtores de Soja) e Instituto Pensar Agropecuário.

    A maior parte dos presentes, como o deputado Domingos Sávio (PSDB-MG), escolheu o bacalhau, especialidade da casa, acompanhado de arroz de brócolis. Os garçons serviam vinho à vontade. A conta ficou com um dos empresários presentes no encontro. Autor de uma das falas mais inflamadas, que incluíram frases como "tudo bem, pode ser natural, mas não precisa fazer propaganda" para se referir a casais gays na televisão, e críticas à "educação de gênero" nas escolas, Alceu Moreira (MDB-RS) afirmou que o agronegócio tem que trabalhar em sua própria imagem.

    "Eles [os deputados da oposição] têm o maior público, e a gente sai como vilão. O agronegócio que coloca a comida na casa, no prato dos brasileiros, mas a gente não consegue fazer chegar a eles essa imagem", afirmou. O grande tema deste ano, as eleições, também apareceu nas conversas e nos discursos. Inflamado, Moreira afirmou que o país precisa "de um árbitro". "Alguém para dizer quem fala e quem cala a boca, quem prende e quem solta", explicou.

    De acordo com o parlamentar, isso não foi encontrado nos presidenciáveis atuais. "A solução poderia vir desta frente", disse. Candidato a vice-governador de Minas Gerais na chapa do tucano Antônio Anastasia, o deputado Marcos Montes também exaltou o poder da bancada. "Como na época do impeachment [de Dilma Rousseff, apoiado pela bancada ruralista], nós temos que apontar um caminho para o Brasil." 

    NAOM-Com informações da Folhapress.


    Imprimir