Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    28/03/2018

    ARTIGO| Chica da Silva: ensaio biográfico

    Por: Aline S. Fernandes*
    Resumo: O presente artigo tem como objetivo apresentar um ensaio biográfico da personagem Chica da Silva. A análise será desenvolvida por meio de um estudo da produção bibliográfica da ex-escrava Chica da Silva. Dessa forma, visamos investigar a vida da ex-escrava, uma mulher negra ascendida socialmente e, que se destacou pela sua sabedoria. 

    Introdução: a vida de Chica da Silva 

    Considerando que Chica da Silva foi escrava e liberta e atingiu um paradoxo e rompeu paradigmas causando alvoroço na sociedade do Tejuco, e se tornou a senhora mais poderosa, diante de uma realidade de fidalgos e rezas católicas, um quadro vivo e riquíssimo de detalhes do violento ciclo do diamante. 

    Por mais que nunca tenha saído da região do Distrito Diamantino, fazia com que a metrópole viesse até si, incentivando óperas, danças, artes, vestindo-se como uma fidalga, e ordenando a construção de um castelo, de um teatro e até mesmo de um lago e um navio em sua chácara, uma vez que nunca vira o mar. 

    Eis que surge Xica por suas muitas facetas e interpretações como amorosa, fiel ao marido e dedicada aos filhos, dona de cem escravos e administradora da maior riqueza de seu tempo. Uma mulher vitoriosa, revolucionária mesmo para os dias de hoje, irreverente, mandona, que superou com majestade a sua condição de escravizada. 

    Fez-se uma dama da elite respeitada e membra das irmandades fazendo desta forma com que diminuísse a lembrança da condição parda dela e dos seus filhos, deste modo foi ex-escrava, amou, teve seus filhos e os deu uma boa educação. 

    Foi uma mulher destemida com uma inteligência notável ao mesmo tempo em que era boa para uns se mostrando com gestos de carinho para outros era como uma tempestade. 

    No livro Júnia tenta mostrar a Chica que viveu e não a chica fictícia mostrada em filmes e novelas por Caca Diegues ou Walcyr Carrasco. 

    *Licenciada em História pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Campus de Nova Andradina (UFMS/CPNA).


    Imprimir