Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    31/01/2018

    CHAPADÃO DO SUL| Município conta com vacina contra a Febre Amarela em todas ESF’s

    A febre amarela é uma doença infecciosa febril aguda transmitida por mosquitos, tendo dois ciclos de transmissão, o urbano e o silvestre.

    © Ilustração
    O ciclo urbano tem o homem como principal hospedeiro, no ciclo silvestre o macaco, ressaltando que o macaco é vítima, assim como o humano, e não transmissor da doença. Os principais sintomas são: febre alta, calafrios, dor de cabeça intensa, dor no corpo, vômitos, icterícia, sintomas hemorrágicos, insuficiência hepática e renal. 

    A vacina é a principal forma de prevenção da doença e faz parte do calendário do Ministério da Saúde no estado de Mato Grosso do Sul, e, portanto, no município de Chapadão do Sul. A vacina é administrada como rotina em pessoas a partir dos nove meses até 59 anos de idade e está disponível em todas as unidades de Estratégia de Saúde da Família, ESF, do município, sendo necessária apenas uma ÚNICA dose da vacina para que se esteja protegido contra a doença por toda a vida. Devem procurar as unidades de saúde para se vacinar:
    • Pessoas de nove meses a 59 anos que não tem nenhuma dose da vacina;
    • Gestantes não vacinadas se forem se deslocar para áreas de transmissão da doença;
    • Mulheres não vacinadas que estão amamentando crianças com menos de 6 meses se forem se deslocar para área de transmissão ativa da doença, sendo necessário suspender a amamentação por 10 dias;
    • Idosos a partir de 60 anos não vacinados, somente se forem se deslocar para área de transmissão da doença, sendo necessário avaliação médica para a indicação da vacina;
    • Indivíduos que forem realizar viagens internacionais e que não estejam vacinados.
    Além da vacinação, vale lembrar que para evitar a propagação da doença é necessário eliminar os criadouros de mosquitos transmissores, eliminando focos de mosquitos em casa.

    A Vigilância Epidemiológica informa que em Chapadão do Sul não tem casos registrados da doença. Qualquer dúvida pode ser esclarecida no posto de saúde do seu bairro ou na Vigilância Epidemiológica pelo telefone (67) 3562-6611.

    Fonte: ASSECOM


    Imprimir