Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    20/12/2017

    Para Odilon, liderança em pesquisa reflete desejo de mudança

    Rejeição do pré-candidato do PDT é a menor entre os melhores colocados no IPEMS

    © Divulgação
    O pré-candidato do PDT ao governo do estado, Juiz Odilon de Oliveira, atribui ao “desejo incontestável de mudança” demonstrado pelo eleitor o fato de liderar as pesquisas de opinião sobre as eleições em Mato Grosso do Sul.

    “A gente sente isso conversando com as pessoas e observando as manifestações nas redes sociais. O povo está mais politizado e analisa com muito cuidado o currículo de cada candidato. Ninguém suporta mais tanta corrupção, que traz dor, fome, desesperança e envergonha o país. É nítido o desejo da população de mudar completamente o cenário político de Mato Grosso do Sul e do Brasil. Quando consultado, o eleitor leva em consideração meu passado de combate aos mais diferentes tipos de crime, sempre com lisura, respeito à coisa pública, transparência e responsabilidade, e acaba optando pelo meu nome”, avalia Odilon.

    Números - O último levantamento de intenção de voto feito pelo IPEMS aponta a vitória do pré-candidato do PDT na disputa pelo governo de Mato Grosso do Sul, seja qual for o cenário político nas próximas eleições. A pesquisa, divulgada terça-feira (19) pelo jornal Correio do Estado, indica que, se as eleições fossem hoje, o Juiz Odilon teria 32,50 % dos votos, contra 24,58 % do ex-governador André Puccinelli (PMDB), 23,17% do atual governador, Reinaldo Azambuja (PSDB), 3,60 % do presidente da Caixa de Assistência aos Servidores (CASSEMS), Ricardo Ayache (PSB), 0,42 % do pré-candidato do PT, Humberto Amaducci e 0,22 % de Cláudio Sertão (PODEMOS). Nesse cenário, 11,64 % dos eleitores não votariam em nenhum desses nomes ou anulariam o voto e 3,88 não responderam ou se declararam indecisos. O IPEMS ouviu 2.285 eleitores com idade igual ou superior a 16 anos entre os dias 9 e 17 de dezembro, nos 79 municípios sul-mato-grossenses. A margem de erro é de 2,05 pontos percentuais para mais ou para menos.

    No segundo cenário apresentado pelo IPEMS, onde o nome de André Puccinelli é substituído pelo do prefeito de Costa Rica, Waldeli Rosa, o Juiz Odilon cresce para 36,56%, Azambuja tem 32,37 % e Waldeli 4,83 %. Ricardo Ayache aparece com 3,83 %, Humberto Amaducci com 0,44 % e Cláudio Sertão 0,24%. Nesse caso, 13,34 % dos entrevistados declaram voto branco ou nulo e 8,9% estão indecisos.

    A pesquisa aponta que, se o candidato do PMDB ao governo do estado for o atual presidente da Assembleia Legislativa, deputado Junior Mochi, o Juiz Odilon ganharia a eleição no primeiro turno. Neste cenário, ele receberia 44,9% dos votos, contra 5,25% de Mochi, 5,09 % de Ricardo Ayache, 0,52 de Amaducci e 0,26 de Cláudio Sertão.O IPEMS simulou o confronto direto do pré-candidato do PDT com André e Azambuja. Na disputa com Puccinelli, Odilon seria o vencedor com 39,58 % dos votos, contra 32,40 % do ex-governador peemedebista. Enfrentando somente Reinaldo Azambuja (PSDB), o juiz teria a preferência de 39,37 % dos entrevistados, enquanto o tucano ficaria com 35,26%.

    Rejeição – De acordo com o IPEMS, o Juiz Odilon é o candidato com menor índice de rejeição entre os quatro primeiros colocados na pesquisa. Do total de eleitores consultados, apenas 9,84 % afirmam que não votariam nele. O percentual de Ricardo Ayache é de 11,40 %, enquanto o de Reinaldo Azambuja chega a 45,48%. André Puccinelli é o mais rejeitado pelos eleitores. O levantamento mostra que 51,65% dos pesquisados não votariam no ex-governador.

    Fonte: ASSECOM


    Imprimir

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS