Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    18/12/2017

    "É obrigação", diz prefeito sobre reforma na Previdência da Capital

    Proposta eleva de 11% para 14% a alíquota para dois mil servidores

    Prefeito de Campo Grande, Marquinhos Trad, PSD © Arquivo
    O prefeito de Campo Grande, Marquinhos Trad (PSD), afirmou novamente que precisa mandar o projeto de reforma da Previdência ainda este ano. A medida será analisada na Câmara Municipal, que tem apenas duas sessões antes do recesso parlamentar.

    Nesta segunda-feira (18), ocorre uma audiência pública no IMPCG (Instituto Municipal de Previdência de Campo Grande) com servidores, vereadores e representantes da prefeitura. O intuito é apresentar o projeto e discutir os detalhes.

    A prefeitura propõe elevar de 11% para 14% a alíquota descontada dos servidores. O acréscimo, no entanto, só antige funcionários que ganham acima do teto do INSS (Instituto Nacional de Seguro Social), que é R$ 5.531. O salário abrange apenas dois mil trabalhadores, conforme o município.

    "Do jeito que está (a reforma) é obrigação. Se eu não precisasse mandar, não mandaria. Mas, não tem jeito", afirma.

    O secretário de Finanças da prefeitura, Pedro Pedrossian Neto, disse anteriormente que o reajuste não causará grande alívio para os cofres municipais, que lida com um deficit de R$ 11 milhões mensais apenas na Previdência.

    O acréscimo reduziria em R$ 501 mil. Contudo, também afirmou ser necessário para que a prefeitura atenda à medida provisória do governo federal.

    Fonte: campograndenews
    Por: Mayara Bueno


    Imprimir

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS