Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    31/01/2019

    Governo Bolsonaro completa 1 mês: confira o que foi destaque

    Mandato tem sido marcado por promessas cumpridas, outras cumpridas parcialmente, e muita polêmica

    ©ARQUIVO
    Eleito presidente da República com 58 milhões de votos, Jair Bolsonaro completa um mês de governo nesta sexta-feira (31). O tempo é curto mas suficiente para o capitão da reserva enumerar ações, promessas cumpridas e polêmicas. Relembre alguns dos principais fatos destes 31 dias.

    . cumprindo promessa de campanha, o presidente flexibilizou a posse de armas de fogo aos cidadãos brasileiros;

    . cumpriu parcialmente um segunda promessa ao reduzir de 27 para 22 o número de ministérios - durante a campanha, ele chegou a falar em 14 ou 15 ministérios;

    . em relação à política externa, teve participação polêmica no Fórum de Davos e reconheceu Juan Gauidó como presidente interino da Venezuela;

    . aproximou-se de Israel a ponto de receber ajuda do país no processo de resgate do desastre de Brumadinho (MG), mas ainda não se sabe se irá, conforme prometido em campanha, mudar a embaixada do Brasil em Israel de Tel Aviv para Jerusalém;

    . a promessa, aliás, teria motivado a Arábia Saudita a descredenciar 33 frigoríficos brasileiros que exportavam carne para o país;

    . as polêmicas envolvendo seu governo são várias e incluem principalmente ministros, como Damares Alves (Mulher, Família e Direitos Humanos), quando afirmou que meninos devem se vestir de azul e meninas, de rosa;

    . o ponto mais sensível de seu mandato até o momento tem sido o imbróglio envolvendo seu filho mais velho, o senador Flávio Bolsonaro, cujo ex-assessor é investigado por fazer movimentações financeiras milionárias, incompatíveis com seus rendimentos, e que incluem um depósito à conta bancária da primeira-dama, Michelle Bolsonaro.

    No momento, Bolsonaro encontra-se internado no Hospital Albert Einstein, em São Paulo, onde chegou na segunda-feira (28) para ser submetido a um procedimento de retirada de bolsa de colostomia e religar o intestino. Mesmo internado, o presidente segue despachando por meio de um gabinete improvisado.

    NAOM



    Imprimir