Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    14/05/2018

    Coluna do Roberto Costa


    COLIGAÇÃO I – De acordo com o senador Pedro Chaves, do PRB, seu partido hoje está bem mais próximo de uma composição política com o Movimento Democrático Brasileiro (MDB). 

    COLIGAÇÃO II – Outra agremiação política em igual situação, conforme entrevista do pré-candidato a governador André Puccinelli ao radialista B. de Paula Filho (Difusora Pantanal), é o DEM. 

    COLIGAÇÃO III – Segundo Puccinelli, a probabilidade de ter o DEM no palanque do MDB é de 90%, assegurando que as conversações estão muito bem encaminhadas. 

    A CHAPA – Quando questionado sobre qual seria a chapa ideal para conduzir a próxima administração estadual, destacou que o povo apontou a seguinte composição: André (governador), Odilon (vice) e Azambuja (senador). 

    BEM AVALIADO – Em pouco mais de três meses do seu retorno a Câmara Federal, o deputado Fábio Trad, do PSD, figura entre os 12 mais atuantes dentre os 513 componentes de todo o País. 

    PRESSÃO POLÍTICA I – Os três senadores, os oito deputados federais, o governador, os 24 deputados estaduais, os 79 prefeitos e as 79 câmaras de vereadores precisam atuar em conjunto em defesa da segurança pública. 

    PRESSÃO POLÍTICA II – A mobilização, o fechamento de questão se faz necessário junto ao Ministério da Justiça, principalmente. Basta analisar o desempenho da segurança contra o tráfico de drogas. 

    PRESSÃO POLÍTICA III – Somente em 2017, conforme dados da Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública, o Estado foi responsável pela apreensão de 427 toneladas de drogas. 

    PRESSÃO POLÍTICA IV – Mesmo não dispondo de recursos suficientes para investimento em Inteligência, os números impressionam. Imagine se o efetivo dispusesse de estrutura suficiente? 

    PRESSÃO POLÍTICA V – Diante dessa realidade contra o trafico de maconha, cocaína, crack e skunk, é inegável que a segurança pública sul-mato-grossense precisa de tratamento diferenciado. 

    NO BOLSO – Para por fim as faltas constantes que acabam prejudicando o funcionamento da Assembleia Legislativa, o deputado professor Rinaldo Modesto (PSDB) sugeriu à Mesa descontar do salário dos faltosos. 

    MÃOS À OBRA – Inauguração e lançamento de obras durante os 365 dias do ano é tudo que a população gostaria a exemplo do que vem ocorrendo agora por conta eleições de outubro. 

    Não é a dor que nos muda [...], mas sim a utilização inteligente dessa dor.” AUGUSTO CURY 
    Imprimir

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS