Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    03/04/2018

    Administrativos exigem incorporação do abono salarial em 2018

    © Divulgação/ALMS
    Insatisfeitos com a política salarial implantada pelo governador Reinaldo Azambuja, centenas de servidores administrativos da educação pública de Mato Grosso do Sul paralisaram as atividades nesta terça-feira (3) e lotaram o plenário da Assembleia Legislativa durante audiência pública promovida pela Federação dos Trabalhadores em Educação do Estado, em parceria com o deputado Amarildo Cruz (PT).
    © Divulgação/ALMS
    Além de receber um dos salários mais baixos do Brasil, muitos dos servidores recebem menos que um salário mínimo, atualizado em R$ 954,00 (novecentos e cinquenta e quatro reais), e o abono de R$ 200,00 (duzentos reais), concedido pelo governo, apenas complementa o salário dos administrativos.

    "É inaceitável que um trabalhador receba menos que um salário mínimo, garantido pela Constituição Federal. Dada a importância que esses profissionais da educação têm na formação dos cidadãos, é imprescindível a implantação de uma política de valorização e de um salário digno", defendeu o deputado Amarildo Cruz.
    © Divulgação/ALMS
    De acordo com o presidente da Fetems, Jaime Teixeira, a categoria reivindica a incorporação do abono ao piso salarial dos administrativos, conforme acordado com o governo do estado, durante a negociação salarial de 2016, além da realização de concurso público. "Nós não aceitamos a prorrogação do abono, mas que o governo cumpra o compromisso que fez com a categoria de incorporar esse valor ao salários dos servidores", ressaltou.

    O secretário adjunto da Secretaria de Estado de Governo e Gestão Estratégica (Segov), Édio de Souza Viegas, propôs a incorporação do abono a partir de abril de 2019, o que foi rechaçado pelos administrativos.

    Ao final, ficou decidido que a Bancada do PT encaminhará um documento ao Executivo Estadual, reforçando o pleito da categoria, de incorporar o abono de R$ 200,00 ao piso salarial dos administrativos em duas etapas, ainda em 2018, conforme proposto inicialmente.

    O presidente da Fetems lembrou que a decisão será deliberada em assembleia ordinária com os servidores que deve acontecer ainda hoje, na rampa der acesso à Casa de Leis.

    Também participaram da audiência pública, os presidentes dos 74 Simteds de MS, Fátima Silva, secretária geral da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação, o Superintendente de Gestão de Pessoas da Secretaria Estadual de Educação, Welington Fernando Modesto, Ademir Cerri da Cassems.

    Fonte: ASSECOM
    Imprimir