Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    02/01/2018

    COLUNA DO SIMPI| Feliz 2018!


    Sempre que chegamos nos períodos de festas de fim de ano, é inevitável cairmos numa profunda reflexão sobre o que é possível fazer de diferente no ano novo que se inicia, objetivando a obtenção de melhores resultados, maior qualidade de vida pessoal e profissional e, principalmente, mais felicidade. Contudo, sabemos que apenas querer não é o suficiente, e é preciso mudar atitudes e comportamentos. “O ano de 2017 foi muito difícil para as micro e pequenas indústrias, que foi sequência de um período conturbado de profunda crise e recessão”, afirma Joseph Couri, presidente do SIMPI, que complementa dizendo que, embora haja sinais de melhora na economia, ainda há muito o que fazer. “É preciso ter resiliência, muita vontade e pensamento positivo. Assim, incorporando um pouco dos ensinamentos de Gilberto Cury - apresentados na matéria seguinte, nesta Coluna - um bom ponto de partida é canalizar boas energias junto ao coração, de forma que possamos começar esse novo ano com muita força para enfrentar as adversidades, vencer e ser feliz”, declara Couri que aproveita o ensejo para desejar a todos um excelente 2018, repleto de muita paz, saúde e sucesso.

    A conexão entre o coração e a mente

    Nos últimos anos, o empresário e fundador da Sociedade Brasileira de Programação Neurolinguística (SBPNL), Gilberto Cury, vem aprofundando seus conhecimentos sobre as teorias que foram desenvolvidas pelo Institute of HeartMath, organização norte-americana que, há mais de 30 anos, se dedica às pesquisas relacionadas aos aspectos biológicos e energéticos do coração. “Mais do que uma bomba sanguínea, esse órgão emana muito mais eletromagnetismo do que o cérebro, sendo capaz de promover sensíveis mudanças fisiológicas no corpo humano e em sua redondeza, influência essa que pode ser sentida num raio de até 3 metros”, explica. Segundo ele, existe um sistema nervoso independente dentro do coração, com cerca de 40 mil neurônios, que gera inteligência própria e diferenciada, processando informações e, também, envia sinais para o sistema nervoso central. “Diversos estudos comprovam cientificamente que o raciocínio é cerebral, mas o sentir é cardíaco”, afirma o estudioso. “Sabe-se, ainda, que o alinhamento estável entre o cérebro craniano e o cérebro do coração propicia a sensação de satisfação pessoal e felicidade, ou seja, mantendo o campo eletromagnético em frequências mais suaves e harmônicas, a variação dos batimentos cardíacos tende a ser normal e saudável, o que influi diretamente no equilíbrio da pressão arterial, na respiração e também no funcionamento do resto do organismo”, esclarece o estudioso, complementando que, em situações emocionais negativas, o ritmo cardíaco se torna caótico, ao contrário dos estados de bem-estar, quando se mostra mais coerente. “Essa coerência permite que os centros de percepção do cérebro processem as informações com mais eficiência”, diz ele.

    Cury também esclarece que, ao colocar em prática a coerência do coração, a aquisição de autoconhecimento, resiliência e o aprimoramento da capacidade interpessoal, entre outras habilidades, se tornam mais fácil, o que contribui para trazer a sensação de que o universo está conspirando a nosso favor. “Por incrível que pareça, a técnica para se fazer isso é muito simples: basta afastar da sua mente, por alguns instantes, as emoções estressantes e perturbadoras. Daí, por 10 segundos, realize uma respiração lenta e profunda, fingindo que esta é realizada na região do coração. Então, lembre-se de um sentimento positivo ou divertido que você teve na vida, e tente revive-los, aproveitando este momento agradável de conexão”, ensina ele. “Praticando isso por 2 ou 3 vezes ao dia, os benefícios dessa técnica já poderão ser sentidos num curto período de tempo”, conclui.

    Temos tudo para um ano melhor

    O aumento do teto de faturamento do SIMPLES de Rondônia - de R$ 1,8 milhão para R$ 3,6 milhões - e facilidades oferecidas pelo REFAZ estadual de parcelamento de débitos fiscais dos micro e pequenos empresários com até 95% de descontos, mais a oportunidade de quitar estes débitos com o pagamento de precatórios, vão melhorar as condições de trabalho no setor, que tende a crescer em 2018, apesar da crise econômica que vive o Brasil, contribuindo com mais impostos e postos de trabalho no Estado”.

    A expectativa é de crescimento de econômico, com juros mais baixos e com aceleração das reformas.


    Imprimir