Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    20/12/2017

    Temer diz estar saudável e não descarta disputar reeleição em 2018

    Presidente diz, no entanto, que este não é seu desejo

    © Beto Barata/PR
    O presidente Michel Temer afirmou nesta quarta-feira (20) que está "saudável" e "inteiro" e não descartou a possibilidade de disputar a reeleição em 2018.

    Em entrevista à BandNews, ele disse que seu desejo é governar o país até o final de 2018, mas, questionado se poderia tentar um novo mandato, respondeu que deixará "as coisas acontecerem".

    "Poder ser [candidato], é claro, mas não é o meu desejo. As coisas vão acontecendo e não adianta tentar programar. Eu realmente deixo as coisas acontecerem, mas reitero que meu objetivo é fazer um grande governo. Evidentemente, o que acontecer no futuro, o futuro vai determinar", disse.

    Em recuperação de uma cirurgia de desobstrução da uretra, que o obrigou a carregar uma sonda, o presidente disse estar bem de saúde e afirmou que pretende enfrentar o próximo ano com "a mesma energia" que teve neste ano.

    "Eu estou inteiro e entusiasmado. Estou trabalhando sem nenhum problema de saúde e estou saudável", disse.

    SUCESSÃO

    Segundo ele, o Palácio do Planalto terá um candidato à sucessão presidencial que apoiará as reformas trabalhistas e previdenciária e que terá "cravado" o apoio à administração atual em seu programa de governo.

    "Eu não sei quem será, como será e de que partido. Mas, seguramente, haverá o apoio ao governo. Quem for candidato, será questionado se apoia ou não o governo. E, apoiar o governo, significa apoiar as reformas", disse.

    Para ele, o candidato governista terá de ser "ponderado", "equilibrado" e "estadista". Na avaliação dele, ninguém será eleito se disser que não dará prosseguimento às reformas estruturais.

    O presidente disse ainda que tem a "absoluta convicção" de que a aprovação do governo irá melhorar no final do primeiro trimestre do ano que vem.

    Atualmente, segundo pesquisa Datafolha, apenas 5% da população considera o governo ótimo ou bom, a maior reprovação já registrada pelo instituto de pesquisa desde o início da redemocratização no país.

    "A nossa previsão é de que, no final do primeiro trimestre, o nosso governo estará muito maior, bastante elevado pelo reconhecimento do que temos feito. Eu tenho a mais absoluta convicção de que isso vai acontecer", disse.

    Segundo ele, a reforma previdenciária não é uma matéria de direita ou de esquerda e que os partidos de oposição a teriam defendido se estivessem à frente do Palácio do Planalto.

    "Se a oposição estivesse no poder, estaria patrocinando a reforma a favor do país", afirmou. 

    Fonte: NAOM - Com informações da Folhapress.


    Imprimir

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS