Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    19/12/2017

    “Eu acredito que a política irá melhorar, para isso precisamos melhorar a fiscalização” destaca deputado Amarildo Cruz

    © Reprodução
    Em entrevista exclusiva à Rádio Diamante FM, ao programa A Bronca do Eli, do jornalista Eli Sousa, Deputado Amarildo Cruz, faz uma retrospectiva sobre o ano de 2017 dos trabalhos realizados pela Assembleia Legislativa, “A característica do poder legislativo maior é ouvir a população e trazer as manifestações utilizando a tribuna para que possamos mudar a política”, destaca deputado.

    “No Mato Grosso do Sul a política não está diferente do País, estamos encerrando os trabalhos nesta semana. Teremos a votação para o orçamento 2018, em torno de R$14 milhões, a primeira realizada na semana passada, o nosso partido votou contra, porém, são duas votações”, enfatiza.

    De acordo com o deputado Amarildo Cruz, “A conjuntura nacional da economia acaba refletindo na arrecadação de tributos e impostos do Estado. As termoelétricas e a importação de gás da Bolívia para o Brasil são utilizadas quando se tem baixo acúmulo de água nas hidrelétricas. Isso tem acontecido nos últimos meses, temos visto que praticamente todas as termoelétricas que estão sendo usadas não são o daqui, são as brasileiras, a Petrobras não importa mais o gás, pois está produzindo grande quantidade do produto”, pontua.

    Deputado Amarildo Cruz destaca situação política nacional e Estadual, ineficiência dos poderes executivo e legislativo e irregularidades não fiscalizadas pelo judiciário, segundo parlamentar, “Muitas pessoas foram aposentadas pela Assembleia Legislativa sem nunca ter contribuído. Se existe em vigor aposentadoria que foi realizada de forma irregular, tem que ser revista e o dinheiro ser devolvido para o erário público. É um caos, um absurdo um negócio desses, são algumas concessões que o judiciário fechou os olhos e não cobra. Uma vez que se tem o judiciário ineficiente, que não dá o exemplo. Quem aplica a Lei é quem tem que dar exemplo, o deputado também, ele não pode cometer qualquer licitude, ele pode ser penalizado pela Lei. Eu não falo de todos, mas falo de uma grande parte e a população sabe de quem eu estou falando. O Executivo também deixa de cumprir algumas vezes a Lei, e no fim a população tem toda a razão”,

    Com relação à JBS, deputado Amarildo Cruz enfatiza que “foram verificadas sonegação fiscal de aproximadamente R$ 1,3 bilhão de reais, do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) ao Estado. O que trouxe danos a arrecadação do Estado, que poderiam ser utilizados no desenvolvimento e na melhoria de diversos municípios, não trazendo danos a população, por desvio de verbas e valores”, pontua.

    Deputado Amarildo Cruz diz que, é necessário realizar diversas discussões buscando ouvir a população com relação às necessidades de desenvolvimento, crescimento, obras e diversos outros setores. “Quando você pega um partido como o PT (Partido dos Trabalhadores) que tem um trabalho social muito grande, você precisa ser forte, se você prestar atenção o partido tem sido metralhado a 4 ou 5 anos. Analisando a saída do Lula, o PT tinha 49% de aceitação, no auge do declínio da cassação da Dilma, pegando o Juiz Moro de Curitiba, o PT bateu 9%, agora está em 19%. O PT vem retomando o seu espaço, a sua força, se não tivéssemos um partido como esse que fizesse a diferença, que fizesse a contrapartida. Podemos pegar os processos morais, que eu não concordo, que eu acredito que tenha que ser julgado. O Que esse país viveu em 14 anos de governo do PT, com acesso a moradia, geração de emprego e renda, não tivemos governo melhor nos últimos 50 anos no Brasil. O povo pode não gostar do PT, mas é visível as melhorias que foram realizadas no País. O partido deve ter candidatura própria, temos o prefeito de Mundo Novo, temos senador, deputados. Tirou um presidente honesto para por um grupo corrupto, eu nunca vi a Dilma com uma mala, com dinheiro, com ilegalidade. Achar todo mundo acha, mas até provar o contrário todo mundo é inocente”, destaca.

    “Estou no terceiro mandato, gosto da política, a política é nova, a única diferença que tem é a forma que você faz defender a política, fazer do jeito que você acredita. Eu busco todos os dias fazer da melhor maneira possível, com responsabilidade. Consequentemente, pra você fazer com essas características, tem que ter projeto de lei, reunião, buscar atender a população. Tenho uma equipe que trabalha comigo, que se identificam com a minha maneira de trabalhar, são eficientes, trabalham no Estado inteiro. Esse ano foi intenso com reuniões, comissões, seminários, muito trabalho e compromisso. Não acertamos sempre, mas a vontade de acertar sempre norteou os nossos passos, essa é a característica maior do nosso mandato. Atendemos em torno de 30 municípios que são as nossas prioridades, com varias lideranças e que isso na verdade dá um impacto muito forte a nossa atuação no mandato. Há de se ressaltar, que temos ações em todos os municípios do Estado. Na última eleição fui votado em todos, e obviamente isso dá uma responsabilidade que temos que fazer mesmo que seja minimamente ações nestes municípios”, conclui deputado.

    Fonte: ImpactoMS
    Por: Flavia Andrade


    Imprimir