Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    12/12/2017

    Escolha de santo padroeiro de Mato Grosso do Sul gera debate na Assembleia

    Deputado Lidio Lopes em discurso © Divulgação/ALMS
    Da bancada evangélica, o deputado estadual Lidio Lopes (PEN) declinou a função de relator na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) do projeto de lei de autoria dos deputados Paulo Siufi (PMDB) e Junior Mochi, de base católica, que escolhe Nossa Senhora do Perpétuo Socorro como a padroeira de Mato Grosso do Sul. Desde que começou a tramitar, a proposta têm gerado polêmica.

    Lidio explica que decidiu pelo declínio porque acredita que se der parecer contra o projeto, pode parecer “implicância religiosa”.

    Durante a sessão desta terça-feira (12), o deputado também disse que sugeriu ao presidente da casa de leis, deputado Junior Mochi (PMDB), que uma consulta pública seja feita para a escolha do santo padroeiro. “Tenho recebido pedidos de várias paróquias para que outros santos recebam o título, pela história e influência na comunidade”.

    Paulo Siufi criticou a atitude do colega Lidio Lopes. “A CCJ tem de dar um parecer sobre a validade do projeto e não sugerir pesquisa. Vou exigir isso”.

    Outro opinião 

    O deputado Pedro Kemp (PT), também de base católica, afirma que votaria a favor da proposta de Siufi, caso ela fosse colocada em votação. “Sou devoto”, explicou.

    Mas, para o parlamentar, o a escolha do santo padroeiro deveria se uma iniciativa da Igreja Católica e não partir da Assembleia.

    A justificativa dos autores da proposta é que além do Santuário de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro em Campo Grande fazer parte da história do Estado, também recebe milhares de fiéis de diferentes cidades toda quarta-feira, durante as novenas.

    A paróquia, localizada na avenida Afonso Pena, no bairro Amambaí, foi fundada em 1939, pelo então bispo de Corumbá, dom Vicente Priante.

    Fonte: campograndenews
    Por: Anahi Zurutuza e Leonardo Rocha


    Imprimir