Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    26/11/2018

    Após matar Belarmino com marteladas, Lagoa foi visitar o filho e depois pegou balada

    Suspeito de latrocínio e ocultação de cadáver foi preso na manhã desta segunda-feira

    Suspeito mostra à polícia onde escondeu corpo ©Divulgação
    A Polícia Civil divulgou há pouco detalhes do crime que terminou com a morte de Belarmino Barbosa de Souza de 58 anos. O suspeito, Geronilso Souza do Nascimento, de 23 anos, foi preso pelo Setor de Investigações Gerais (SIG) na manhã desta segunda-feira, em chácara no distrito de Piraputanga, em Aquidauana. Após cometer o crime, o homem foi visitar o filho e mais tarde ainda foi para uma casa noturna da região.

    Conforme apurado, os fatos ocorreram no sábado, na casa da vítima, localizada no Jardim Panamá, região do Santo Amaro, em Campo Grande. Os dois se conheciam, tanto que Belarmino estava dando abrigo a Lagoa e custeando suas despesas. Na madrugada, eles tiveram uma discussão e Lagoa acertou Belarmino com um soco no rosto. A vítima ficou desorientada e caiu.

    Neste momento, o criminoso aproveitou para desferir quatro golpes de martelo na cabeça de Belarmino que não resistiu às agressões. Em seguida, Lagoa amarrou o corpo pelos pés e mãos, embrulhou em um cobertor, colocou no banco traseiro do veículo modelo Gol da vítima e saiu em direção à Aquidauana, ainda no sábado. 

    Ele roubou R$ 60 reais. Na ponte do grego, jogou as duas toalhas usadas para limpar a casa da vítima e o martelo. Depois, seguiu rumo a um assentamento para visitar o filho na casa da ex-sogra, e continuou o percurso, abandonando o corpo em uma área de vegetação nas imediações do Indaiá 2. Chegando em Aquidauana, o carro deu problema mecânico e ele acabou abandonando-o. Ainda tentou sacar mais dinheiro da vítima, mas não conseguiu. Em seguida, deixou a chave do carro na casa de um amigo, foi na casa de outro amigo e foi para a balada.

    No domingo, foi para a chácara em Piraputanga, onde acabou preso. Ele responde por latrocínio e ocultação de cadáver.
    ©Divulgação

    ©Divulgação

    Fonte: O Pantaneiro


    Imprimir