Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    13/10/2018

    TSE aciona PF para verificar vídeo de suposta urna fraudada e constata montagem

    Vídeo está circulando pelas redes sociais e mostra equipamento com defeito

    No vídeo, eleitor aperta apenas o número 1 e a foto de Haddad já aparece em seguida - Reprodução
    A presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), ministra Rosa Weber, afirmou neste domingo (7) que a Polícia Federal e o Ministério Público Federal foram acionados para verificar um vídeo compartilhado pelo filho do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) e candidato ao Senado, Flavio Bolsonaro (PSL-RJ) em rede social, que mostra suposta fraude em urna eletrônica.

    Rosa Weber foi enfática ao dizer que sequer sabe se a urna que aparece no vídeo é verdadeira. "Eu sequer sei se é verdade", disse, em referência ao conteúdo do vídeo. Após a verificação, o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) divulgou nota nas redes sociais afirmando que o vídeo é uma montagem.

    Flavio Bolsonaro publicou em seu Twitter neste domingo (7) que uma urna eletrônica estaria impondo voto a Fernando Haddad (PT).

    "Está acontecendo diante de nossos olhos. Aperta a tecla "1" para presidente e aprece o indicado do presidiário! Quem souber onde aconteceu isso, favor me enviar zona e seção. @TSEjusbr", escreveu Bolsonaro.

    De acordo com um integrante do Ministério Público, devido ao ângulo em que foi gravado o vídeo, é possível que a imagem seja de um teste prévio sobre segurança nas urnas, e não da eleição deste domingo.

    "Acabou de chegar ao conhecimento do TSE ocorrência desse vídeo. PF e MPF estão sendo acionados para que esta urna, sendo constatada sua existência, essa urna seja retirada, auditada se de fato tiver irregularidade", disse Rosa Weber.

    A presidente do TSE foi questionada sobre a acusação durante entrevista a jornalistas no TSE. Também participaram a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, a advogada-geral da União, Grace Mendonça e os ministros do TSE Admar Gonzaga, Og Fernandes e Tarcísio Vieira de Carvalho Neto.

    Por FOLHAPRESS


    Imprimir