Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    28/09/2018

    Na OAB, candidatos apresentam proposta contra corrupção, caixa 2 e mais cinco itens

    Confira as propostas de cada candidato que participou do evento:

    ©André de Abreu
    Os candidatos ao governo de Mato Grosso do Sul apresentaram, nesta sexta-feira (28), na OAB/MS, planos para o combate à corrupção, caixa dois e também ações voltada à transparência das contas públicas.

    Marcelo Bluma (PV) propôs a radicalização na transparência. "O gestor tem que investir em transparência e isso, por si só, já combate à corrupção". Durante o evento, Bluma ainda apresentou outras propostas com a implantação de um polo em tecnologia de informação e o fomento no Turismo, principalmente, na Bacia do Paraguai.

    O governador Reinaldo Azambuja (PSDB) disse que a sua gestão foi a que mais combateu a corrupção. "Criamos a controladoria e o fundo anticorrupção. É preciso aprimorar o bom andamento das práticas e o combate à corrupção".

    Quanto à transparência, Reinaldo afirmou que é preciso manter o estado nota 10. "Estávamos em último lugar e não podemos deixar baixar esse índice". E, em relação ao caixa dois, Azambuja disse que isto precisa ser realizado com o apoio dos partidos políticos, TRE/MS (Tribunal Regional Eleitoral) e TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

    Junior Mochi (MDB) afirmou que está abraçado com a controladoria. "Estou abraçado com a CGU (Controladoria Geral da União), CGE (Controladoria Geral do Estado), TCE (Tribunal de Contas do Estado) e com os controles exercidos pelos conselhos para que sejam efetivados e crie um sistema evitar que haja corrupção. Estou abraçado com o controle social e vamos adotá-los”.

    João Alfredo (PSOL) disse que foi o único que renunciou ao foro privilegiado na campanha. "Isto é um exemplo de combate à corrupção".

    Odilon de Oliveira (PDT) também disse que a melhor forma de combate à corrupção é dando exemplo. O juiz aposentado destacou a necessidade de inserir representantes de diversos órgãos de fiscalização. "A transparência também é fundamental no combate à corrupção. Nós ainda precisamos de ações contra o caixa 2".

    Para o presidente da OAB/MS, Mansour Elias Karmouche, este é o momento dos representantes mostrar as propostas para a maior classe se profissionais liberais. "O combate à corrupção é se extrema importância para o Estado Democrático de direito. O combate ao caixa 2, nós trocamos acordos com MPE (Ministério Público Estadual), MPF (Ministério Público Federal) para garantir a lisura nesta eleição e denunciar ações".

    Fonte: TopMidiaNews
    Por: Rodson Willyams


    Imprimir