Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    16/09/2018

    LADÁRIO| Idosos e Crianças Primeiro!

    ©Divulgação
    Sem sombra de dúvidas um dos assuntos a serem tratados com bastante cuidado pelo próximo Presidente da República, assim como o do futuro Governador em conjunto com cada Prefeito, dos municípios brasileiros, são as vacinas. Certamente que elas são um dos mecanismos mais eficazes na defesa do organismo humano contra agentes infecciosos e bacterianos, e consiste na proteção do corpo por meio de resistências as doenças que o atingiriam. Elas são compostas por substâncias e microrganismos inativados ou atenuados que são introduzidos no organismo para estimular a reação do sistema imunológico, quando em contato com um agente causador de doenças. A primeira descoberta é de 1797, quando um médico britânico Edward Jenner, elaborou as vacinas a partir de lesões em vacas e notou que ao introduzir microorganismos enfraquecidos no corpo humano, seríamos capazes de criar anticorpos contra infecções. Assim funcionou a primeira vacina contra a difteria, em 1923.

    Na década de 50 uma vacina tornou-se a mais popular entre todas, era contra a poliomielite, que acomete principalmente crianças abaixo de 5 anos, paralisando-as. Campanhas em todo o mundo foram muito eficazes e reduziu-se drasticamente o quadro de infectados. No Brasil, para continuar a luta contra estes vírus, foi criado o Instituto Oswaldo Cruz, que até hoje produz as vacinas das campanhas nacionais de imunização, inclusive contra sarampo, difteria, tétano, hepatite B, meningite e coqueluche
    ©Divulgação
    O município de Ladário, por meio de sua intemerata Secretaria de Saúde, realizou com sucesso a mais recente Campanha Nacional de Vacinação, no período de dia 06 de agosto a 1º de setembro do corrente ano. O dia “D” de mobilização foi realizado em 18 de agosto e 1º de setembro. Ao todo, foram vacinadas 1.423 crianças ladarenses, o que corresponde a 96,47% da meta preconizada pelo Ministério da Saúde que é de 95%, entre crianças de 1 a 4 anos, 11 meses e 29 dias. Estes números nos alegram pois, a vacinação é uma das medidas mais importantes de prevenção contra doenças. É muito melhor e mais fácil prevenir u ma enfermidade do que tratá-la, e é isso que as vacinas oferecem a população.

    Na verdade, a vacinação não apenas protege aqueles que recebem a vacina, mas também ajuda a comunidade como um todo. Quanto mais pessoas de uma comunidade ficarem protegidas, menor é a chance de qualquer uma delas – vacinada ou não – seja contaminada. Ladário cujos pontos de vacinação se localizaram nas Unidades Básicas de Saúde ESF João Fernandes (bairro Alta Floresta), na ESF Joaquim da Costa e Faria (Bairro Almirante Tamandaré) e na Policlínica (Centro); vem atuando na ampliação da prevenção, no combate ao controle e erradicação de doenças, além de disponibilizar diversas vacinas a população. São oferecidos, gratuitamente, diversos tipos de imunobiológicos utilizados na prevenção e/ou tratamento de doenças, incluindo, lógico, as vacinas. O Brasil desponta nessa área, disponibilizando mais de 300 milhões de doses anuais de imunobiológicos, entre vacinas, soros e imunoglobulinas. Destas 96% das vacinas oferecidas no Sistema Único de Saúde (SUS) são produzidas no Brasil ou estão em processo de transferência. Isso porque o País já possui um parque produtor de vacinas e imunobiológicos.
    ©Divulgação
    É importante destacar que as vacinas não são necessárias apenas na infância. Os idosos precisam se proteger contra gripe, pneumonia e tétano, e as mulheres em idade fértil devem tomar vacinas contra rubéola e tétano, que, se ocorrerem enquanto elas estiverem grávidas (rubéola) ou logo após o parto (tétano), podem causar doenças graves ou até a morte de seus bebês. Com informação e a participação poderemos aos poucos ir melhorando cada pedacinho da nossa cidade. O povo agradece e se por ventura alguém ainda não procurou o sistema de saúde, vá se inteirar, procure atualizar sua carteira de vacinação. Buscar a saúde e condições de vida não depende somente do poder público, depende de cada um de nós na medida de suas possibilidades.

    Fonte: ASSECOM
    Por: Janir Arruda
    *Coordenadora de Saúde da Cidade de Ladário - Portaria 167/18.


    Imprimir