Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    26/09/2018

    Governo Reinaldo promove ações de conscientização sobre doação de órgãos

    ©Divulgação
    O fim de uma vida que pode dar a chance do recomeço a outra. Assim pode ser definida a doação de órgãos. Pensando em conscientizar as pessoas sobre a importância do gesto de amor ao próximo, é que o Governo do Estado de Mato Grosso do Sul, na gestão do candidato à reeleição Reinaldo Azambuja (PSDB), frequentemente promove ações sobre o assunto. 

    Em alusão ao Setembro Verde, ações realizadas pela Central Estadual de Transplantes estão intensificadas. Começou ontem e segue até hoje a 1ª Semana de Doação de Órgãos do Hospital Universitário da Grande Dourados. Para esta quinta-feira (27), quando se comemora o dia do doador, palestras acontecem na Santa Casa de Campo Grande à partir das 7h30. O evento segue até às 12h e o ingresso é a doação de um pacote de fraldas descartáveis adulto ou infantil. 

    “Os eventos têm como objetivo fomentar esse assunto, pois temos uma alta taxa de negativa familiar. Estamos o mês de setembro todo trabalhando para divulgar e orientar a população sobre a importância dos transplantes”, enfatiza a coordenadora da Central Estadual de Transplantes, Claire Miozzo.

    A Central Estadual de Transplantes (CET) já realizou neste ano, em Mato Grosso do Sul, 33 doações de órgãos, além da captação de 153 córneas. Nos últimos três anos, a Central captou 108 órgãos e 730 córneas. Muitos desses órgãos doados vão para outras localidades, já que os transplantes acontecem de acordo com a fila de espera nacional.

    Desde o início dos trabalhos da CET, foram enviados para outros estados 26 corações, 914 córneas, 40 corações para retiradas de válvulas cardíacas, 114 fígados, 10 pâncreas, 291 rins e quatro pulmões.

    Mato Grosso do Sul realiza os transplantes de rim, tecido musculoesquelético e córnea, sendo o último o mais comum. 

    Brasil 

    Conforme dados da Associação Brasileira de Transplantes de Órgãos (ABTO), o País vive o melhor cenário de doações em 20 anos. Em 2016 foram, aproximadamente, 25 mil transplantes e, no ano passado, os números chegaram em torno de 27 mil, um aumento significativo, segundo Levantamento do portal Governo do Brasil.

    O site mostra ainda que a Força Aérea Brasileira transportou 512 órgãos em dois anos, sendo 235 fígados, 143 corações, 76 rins, 21 pâncreas, 27 pulmões, seis tecidos ósseos e quatro baços.

    Doador

    As doações de órgãos acontecem a partir de pacientes que tiveram morte encefálica, que estão em ambiente hospitalar, em UTI e podem doar os órgãos e tecidos (córnea). No entanto, o indivíduo que tem parada respiratória, quando os órgãos param de funcionar, só pode fazer a doação de tecidos, já que estes não precisam de vascularização para funcionar.

    Para se tornar um doador de órgãos é preciso apenas informar a família de sua vontade, ficando a mesma responsável pela autorização da doação mediante duas testemunhas.

    ASSECOM


    Imprimir