Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    25/09/2018

    Ex-vereador preso por corrupção em 2014 é alvo de operação do Gaeco

    Adriano José Silvério, atual presidente do Sindicato dos Servidores de Naviraí, é investigado por desvio de R$ 670 mil

    Policial do Gaeco analisa documentos durante operação hoje em Naviraí ©Divulgação 
    O Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado), do Ministério Público de Mato Grosso do Sul, deflagrou nesta terça-feira (25) em Naviraí, a 366 km de Campo Grande, a Operação Remake, que investiga desvio de R$ 670 mil no Sindicato dos Funcionários Públicos do município.

    Estão sendo cumpridos quatro mandados de busca e apreensão e dois mandados de afastamento cautelar do presidente do sindicato, Adriano José Silvério, e da tesoureira Claudia Willmann Flor Rodrigues, além de decreto de indisponibilidade patrimonial dos investigados.

    Silvério foi o vereador mais votado nas eleições de 2012 e um dos dez presos na Operação Atenas em outubro de 2014, acusado de fazer parte de um esquema de corrupção em Naviraí.

    De acordo com a assessoria do MP, a investigação é conduzida pela 2ª Promotoria de Justiça de Naviraí e apura o crime de peculato contra os cofres do sindicato.

    O prejuízo à entidade, que tem como associados os servidores da prefeitura e da Câmara de Vereadores, foi estimado em R$ 670 mil até outubro de 2017, mas pode ser superior, “a depender das provas que forem obtidas até a conclusão da investigação”.

    Participam das buscas dois promotores de Justiça e 12 policiais militares. Os mandados foram expedidos pelo Juízo da 2ª Vara Criminal da Comarca de Naviraí.

    Remake – A operação recebeu o nome de remake porque Adriano José Silvério foi processado pela prática de crimes contra a administração pública em 2014, inclusive, tendo sofrido a perda de mandato político.

    Na época, Adriano era vereador e foi preso junto com outros legisladores, servidores e empresários na Operação Atenas, da Polícia Federal. Assim como os demais vereadores, foi cassado e ainda responde a processo judicial por corrupção.
    Viatura do Gaeco em frente à sede do Sindicato dos Servidores de Naviraí, alvo da Operação Remake©Divulgação

    Fonte: campograndenews
    por: Helio de Freitas, de Dourados


    Imprimir