Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    15/03/2018

    Mentiras e mesquinharias fizeram André Puccinelli voltar à cena política

    O ex-governador e pré-candidato do MDB disse que estava quieto como “vovorista”, mas cutucaram a onça com vara curta e ele resolver ir à disputa para ser julgado pelo povo

    © Reprodução
    O ex-governador do Estado, André Puccinelli, pré-candidato do MDB à sucessão estadual, afirmou que estava vivendo tranquilamente sua nova profissão de “vovorista” – motorista dos netos – quando foi alvo de ataques mesquinhos e mentirosos de seus adversários, fatos que o motivaram a voltar à cena política estadual. “Eu estava quieto, como ‘vovorista’, mas as mentiras me fizeram voltar para reverter a situação” disse Puccinelli em entrevista exclusiva à Rádio Diamante FM, levado ao ar pelo programa “A Bronca do Eli”, com o jornalista Eli Sousa.

    O ex-governador mostra-se indignado com a campanha difamatória que alguns políticos movem contra sua pessoa e sua administração e por isso resolveu passar tudo a limpo colocando seu nome à disposição do eleitorado para que este, sim, democraticamente, possa julgar o que foi realizado ao longo de oito anos que ele esteve à frente do Poder Executivo Estadual.

    André frisou que ao entregar o Governo, em 2011, deixou em caixa recursos para a conclusão de obras como o campus da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul e o Aquário do Pantanal e destaca a ação governamental dos políticos que o antecederam no cargo. “Todos os governadores que passaram pelo Mato Grosso do Sul fizeram a sua parte. O Zeca do PT, o Marcelo Miranda, o Dr. Wilson Martins, o Dr. Pedro Pedrossian, cada um deles deixou a sua marca e o seu legado. Agora tem gente que mesquinhamente fica mentindo. O André está falando para quem ouve: o Tribunal de Contas tem todos os documentos, o Ministério Público tem. É só ir lá e conferir” afirmou.

    Em relação aos recursos deixados em caixa para a conclusão de obras, o ex-governador cita valores superiores a R$ 500 milhões de reais, dos quais, mais de R$ 34 milhões eram destinados à conclusão da obra do Aquário do Pantanal.

    Durante a entrevista que foi transmitida em cadeia pela Rádio Cidade de Maracaju, André Puccinelli confirmou que, em seus dois governos, foram realizados 3.662 km de obras rodoviárias, entre asfalto novo e recuperação de rodovias. Segundo ele, foram 1.657 de asfalto novo e 2.005 quilômetros de rodovias recuperadas com recapeamento. Ele lembrou que os últimos quatro municípios de MS que não tinham acesso por vias pavimentadas, ganharam esse benefício em seu governo.

    Sobre rodovias que estão enfrentando problemas nesse período de chuvarada, Puccinelli diz que as vias pavimentadas precisam de manutenção que, porém, não foram realizadas. “Se os serviços de manutenção tivessem sido feitos, não haveria essa necessidade de realizar a renovação neste momento”, aponta.

    Ao falar sobre as rodovias pavimentadas em seu governo, ele cita a MS-040, que sai de Campo Grande, pela região de Três Barras, e demanda à cidade de Santa Rita do Pardo, que está em boas condições, mas que, “mesquinha e mentirosamente andam espalhando que está toda esburacada”.

    Puccinelli diz que quem quiser comprovar a mentira espalhada por seus adversários basta viajar pela rodovia e verá que não passa de golpe político baixo dos que têm medo de sua pré-candidatura. “Aliás, não sei o porquê desse medo danado que esse povo tem do André Puccinelli” afirma o pré-candidato emedebista em tom de ironia e questionamento.

    SAÚDE – Ao comentar as ações desenvolvidas enquanto governador na área de saúde, Puccinelli fez uma analogia ao processo de reconhecimento de paternidade. “Hoje em dia temos o exame de DNA para saber quem é o pai da criança, porque a mãe todo mundo sabe quem é. Vamos fazer o DNA para saber quem fez a regionalização da saúde no Estado” desafia o ex-governador.

    Ele enumera os hospitais construídos em sua administração, elencando o Hospital Regional de Coxim e se lembra, ainda, que, na condição de médico que o é, foi à cidade localizada no Norte do Estado para “presenciar a primeira videocirurgia de extração de uma vesícula naquele hospital”.

    “Vamos ver quem terminou o hospital de Fátima do Sul, de Chapadão e de Nova Andradina? Se verificarem, vocês verão que o pai dessas crianças é um tal de André Puccinelli” afirma o ex-governador voltando novamente a demonstrar mágoa com as mentiras que alguns de seus adversários andam espelhando pelo Estado. “Eu só quero que falem a verdade e é por isso aceitei a pré-candidatura” afirmou.

    Lembrado durante a entrevista que alguns analistas políticos afirmam que ele só sai candidato quando tem certeza da vitória, a André Puccinelli foi perguntado se ele já tinha essa certeza. “O futuro a Deus pertence. Quem vai definir é a vontade do povo” diz sem deixar transparecer qualquer possibilidade de recuar do projeto de governar Mato Grosso do Sul pela terceira vez.

    Nesse ponto da entrevistada foi perguntado ao ex-governador se ele estava afastando qualquer possibilidade de um aventado entendimento entre MDB e o PSDB de Reinaldo Azambuja e ele respondeu lembrando que uma pesquisa realizada no Estado mostrou que “a chapa dos sonhos do povo de Mato Grosso do Sul – e não dos sonhos de André Puccinelli – teria Puccinelli como governador, Odilon de Oliveira como vice-governador e o atual governador do Estado, Reinaldo Azambuja como candidato a senador”.

    “Friso bem que essa chapa foi eleita como a chapa do sonho do povo de Mato Grosso do Sul. E eu falei isso numa entrevista à CBN. Um dos pré-candidatos se saiu educadamente ao responder sobre o assunto e um outro disse que recusava o convite. Volto a insistir: não houve convite. Foi apenas resultado de uma pesquisa em que o povo disse que essa seria chapa ideal” respondeu sem dizer sim ou não quanto à possibilidade de união entre o MDB e o PSDB.

    CARAVANA DA SAÚDE – Sobre o programa governamental denominado “Caravana da Saúde” que foi realizada no primeiro ano de gestão Reinaldo Azambuja com sucesso que e agora teve o anúncio de seu retorno para o mês de maio, mais uma vez o ex-governador e pré-candidato do MDB metaforizou: “Quando você tem um tumor realiza-se a Caravana? Então agora quando o tumor voltou estão realizando novamente para tentar amenizar a situação” disse.

    Referindo-se ao deputado estadual Paulo Siufi (MDB) que estava presente no estúdio da Rádio Diamante FM durante a entrevista Puccinelli disse que os médicos, vendo esse caos que está a saúde, sofrem. “Recebemos agora o Dr. Paulo Siufi que acabou de chegar aqui, pediatra dos meus netos, um bom médico e um bom companheiro, e posso falar por mim e por ele: nós, como médicos, ficamos tristes em ver a reclamação geral, em todos os municípios que andamos, com relação à saúde”.

    VALE RENDA – Sobre o Programa Vale Renda, Puccinelli disse que ao final de seu segundo mandato como governador, havia 60 mil famílias beneficiadas. Agora dizem que cortaram 16 mil e que são atendidas 44 mil famílias, sob a alegação de que o Estado não tem dinheiro para custear o programa. “Quando estávamos no Governo, tinha dinheiro para manter. Será que o povo não merece?” questiona.

    PRÉ-CANDIDATURA – Por fim, André Puccinelli falou sobre sua pré-candidatura ao Governo de Mato Grosso do Sul. “Estamos andando pelo Estado como pré-candidato para que possamos ouvir a população. O que os sul-mato-grossenses querem, quais são seus pensamentos; o que deveria ser feito para cada município ou região. Falta caminhar pela região de Paranaíba, Três Lagoas, Antônio João, Dourados e Campo Grande. Após estas, faremos caminhadas pelos 79 municípios de Mato Grosso do Sul”, destaca o ex-governador.

    Sobre a forma com que as reivindicações populares têm chegado às suas mãos durante os encontros regionais do MDB, André Puccinelli aponta que são distribuídos formulários a quem acompanha os encontros e depois a equipe organizadora recolhe os formulários preenchidos. “A partir daí analisamos o que foi dito por cada popular que preencheu” diz acrescentando que “através das mídias sociais também é possível encaminhar as reivindicações sobre o município e região. Esperamos ter ao menos 500 mil formulários preenchidos, uma vez que atingir os 2 milhões e 800 mil habitantes de Mato Grosso do Sul é uma tarefa um pouco difícil” aponta André Puccinelli.

    No rol das reivindicações populares, o pré-candidato do MDB diz que a saúde tem sido o setor mais reclamado pela população, o que, no seu ver, é o setor que precisa de mais atenção do Governo do Estado, única maneira de melhorar o atendimento.

    Fonte: ImpactoMS
    Por: Jota Menon e Flávia Andrade


    Imprimir