Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    12/06/2018

    Vereador Carlão avisa que “vai priorizar interesses da população no Plano Diretor e não de grandes empresários”

    ©Divulgação
    O vereador Carlos Augusto Borges (Carlão PSB), primeiro secretário da Mesa Diretora da Câmara Municipal, usou a tribuna da Casa de Leis durante a sessão ordinária desta terça-feira (12) para falar do Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano Ambiental de Campo Grande. Projeto de Lei Complementar 551/2017, de autoria do Executivo Municipal que traça diretrizes do desenvolvimento urbano estrutural da cidade. Carlão reforçou que o Plano foi retirado pelo Executivo da Casa de Leis e que volta a ser debatido pelos vereadores para ser aperfeiçoado, com responsabilidade atendendo as necessidades da cidade com justiça social e visão de futuro.

    “São decisões para os próximos 30 anos. Não vamos ouvir interesses somente de empresários, ou grandes corporações, vamos priorizar a população. Sobre a situação da ampliação do território urbano vamos ouvir os técnicos e valorizar interesses da comunidade. Os munícipes são nosso foco principal! Vamos ouvir as recomendações do Ministério Público e as recomendações de todas as demais instituições como a OAB, mas não vamos aceitar imposições. Faremos pareceres técnicos e vamos votar com isenção, priorizando a população, as periferias, nossa gente. Pessoalmente vou apresentar dezenas de emendas e vamos para o voto. São 28 representantes da população campo-grandense que estarão aptos para votar e faremos nosso trabalho com independência e responsabilidade”, disse Carlão.

    Carlão falou sobre a independência dos Poderes e destacou a importância do debate. 

    Apartearam o vereador Carlão os vereadores Otávio Trad, Ayrton Araujo, Valdir Gomes, Enfermeiro Fritz e o vereador Chiquinho Telles. Todos fazendo menção a necessidade de debates técnicos e responsáveis com os interesses da população para que o Plano Diretor seja a melhor versão a ser aprovada. 

    ASSECOM


    Imprimir

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS