Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    21/06/2018

    Rumos da concessão da BR-163 serão discutidos em Brasília

    Divulgação
    As obras da BR-163 voltaram a discussão, e o deputado João Grandão e demais parlamentares devem ir a Brasília, na próxima semana, para discutir com o ministro dos Transportes, Valter Casimiro, em Brasília, uma solução para os problemas com a concessão da rodovia.

    O impasse começa com os atrasos da duplicação, já que a meta era duplicar 193,5 quilômetros da BR-163 e realizar 72 construções, entre pontes, retornos e viadutos. O objetivo não foi cumprido, e a ANTT (Agencia Nacional de Transporte Terrestre) já prevê o cancelamento do contrato.

    Agora, os deputados buscam apoio na bancada sul-mato-grossense na Câmara para reduzir os impactos aos municípios, principalmente aqueles em trechos por onde a obra passa – a exemplo dos municípios de Nova Alvorada do Sul, Itaquiraí, Mundo Novo e Dourados.

    Reivindicações

    Proposta pelos deputados João Grandão e Junior Mochi, Audiência Pública realizada em março tratou os atrasos na duplicação e seus impactos, principalmente nos trechos em que a obra passa – a exemplo dos municípios de Nova Alvorada do Sul, Itaquiraí, Mundo Novo e Dourados.

    A reunião é um dos desdobramentos da Audiência Publica realizada em marco, proposta pelos deputados João Grandão e Junior Mochi, que resultou na criação da Carta de Mato Grosso do Sul ao governo federal com 18 reivindicações, entre elas: Ampliação do prazo de entrega do projeto, por meio de Lei Federal, e também: Adequação do fluxo de investimento ao fluxo de receita; definição das obras a serem executadas em função das necessidades técnicas de nível de serviço e segurança; regularização dos acessos à rodovia, garantindo a segurança do usuário e dos lindeiros; Tratamento prioritário para os acessos institucionais, tais como os de uso coletivo e os públicos; Reestudo dos retornos, considerando a mobilidade na zona rural, entre outros. 

    O contrato firmado com a ANTT, a CCR MSVia prevê a duplicação de 322,5 quilômetros da rodovia.  

    ASSECOM


    Imprimir