Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    29/06/2018

    Com R$ 30 milhões de investimento, Hospital Regional de Dourados recebe ordem de serviço

    ©Ilustração
    O governador Reinaldo Azambuja assina, nesta sexta-feira (29.6), a ordem de serviço para a construção do aguardado Hospital Regional de Dourados (HRD), que atenderá pacientes de 34 municípios da região da grande Dourados, Conesul e Faixa de Fronteira. Com investimento inicial na construção de mais de R$ 30 milhões, a unidade terá perfil assistencial de hospital geral, que priorizará as linhas de cuidados de urgência/emergência, cardiologia, nefrologia, oftalmologia e cirurgia geral.

    O secretário de Estado de Saúde, Carlos Alberto Coimbra, participa da agenda, acompanhando o governador. “É mais uma obra emblemática do Governo do Estado. Esse hospital vai desafogar grande parte dos atendimentos feitos na Capital e em outras cidades”, afirma Coimbra.

    Contemplado com 210 leitos, o HRD será distribuído em enfermaria masculina e feminina, alas de isolamento, UTI adulto, isolamento UTI adulto, UTI pediátrica, isolamento UTI pediátrico, leitos de observação adulto, centro cirúrgico e obstétrico, além de outros setores.

    Dos R$ 30,7 milhões de investimento, o Governo do Estado financiará R$ 10,5 milhões e o restante será subsidiado pelo Governo Federal. Uma terceira etapa da obra também está prevista, ainda sem valores confirmados, mas com a conclusão da primeira etapa, a unidade já estará à disposição de pacientes.

    O hospital será distribuído em três blocos:
    • Bloco 1 – pronto atendimento de pacientes, tomografia, RX, Endoscopia, Ultrassonografia, Centro cirúrgico e UTI para adultos e Pediátrica;
    • Bloco 2 – Farmácia, Nutrição, Dietética, Higiene e Limpeza;
    • Bloco 3 – Lavanderia, Central de Resíduos e Necrotério.
    A construção do HRD é mais uma ação do Governo do Estado que integra o projeto de regionalização e reestruturação da saúde e um antigo anseio da população.

    Fonte: Portal do Governo de Mato Grosso do Sul 
    Por: Luciana Brazil- Secretaria de Estado de Saúde (SES)


    Imprimir