Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    08/05/2018

    TRÊS LAGOAS| Saúde orienta famílias do Vale Renda sobre prevenção da Gripe

    Palestras foram ministradas pela equipe do Setor de Promoção da Saúde com o objetivo de educar as famílias e prevenir a doença

    ©Divulgação
    A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) de Três Lagoas, por meio de uma equipe do Setor de Promoção da Saúde da Diretoria de Vigilância em Saúde e Saneamento, numa ação de parceria com a Secretaria de Estado de Direitos Humanos, Assistência Social e Trabalho (SEDHAST) de Mato Grosso do Sul, está promovendo uma série de palestras de orientação às famílias beneficiárias do Programa Vale Renda.
    ©Divulgação
    Nas palestras das reuniões bimensais, que, normalmente seguem temática proposta pela Superintendência de Benefícios Sociais da SEDHAST, o Setor de Promoção da Saúde “estará abordando várias temáticas relacionadas à saúde das famílias, como, por exemplo, orientações sobre a gripe H1N1”, como resumiu a diretora de Vigilância em Saúde e saneamento da SMS, bióloga Geórgia Medeiros de Castro Andrade.

    As palestras, iniciadas no período da tarde desta segunda-feira (7), no auditório do Centro de Referência de Assistência Social e Educacional – CRASE “Coração de Mãe”, contaram com a participação das Agentes de Saúde, D’Ângela Maciel Barrios, Marisa Lopes Shroeder e Daniela Regina Pereira da Silva.
    ©Divulgação
    Segundo informou a coordenadora do Vale Renda em Três Lagoas, Meiry Medeiros, “temos 1.114 famílias beneficiárias do Vale Renda. As reuniões são de dois em dois meses. Para não precisarmos reunir todas as famílias de uma só vez, criamos grupos alternados, ou seja, um grupo de famílias participa da reunião neste mês e, no próximo mês, participa outro grupo de famílias”, explicou.

    “Graças à parceria e apoio da equipe do Setor de Promoção da Saúde de Três Lagoas, teremos palestras de orientação de saúde e de prevenção de doenças, até o final do ano para as nossas famílias. No momento, o assunto mais importante e que precisa ser conhecido é a questão da gripe”, anunciou Meyre.

    Nas palestras, a equipe do Setor de Promoção da Saúde está abordando questões sobre a gripe H1N1, dando ênfase aos cuidados de higiene pessoal das mãos para evitar contágio e noções básicas de como distinguir a gripe H1N1 de um simples resfriado e da gripe comum.

    COMO SE PREVENIR

    Segundo orientações da SMS de Três Lagoas e dadas às famílias do Vale Renda, é importante que a população saiba como se prevenir da Gripe Influenza A-H1N1.

    Para prevenção da gripe, é importante seguir as seguintes recomendações: lavar as mãos frequentemente com água e sabão e, em seguida, passar álcool em gel; quando tossir ou espirrar, cobrir o nariz e a boca com lenço descartável; não compartilhar alimentos, copos, toalhas e outros objetos de uso pessoal; havendo qualquer sintoma de um simples resfriado ou gripe, a pessoa deve evitar ambientes fechados e com aglomeração de pessoas; não usar medicamentos sem orientação médica, porque a automedicação é sempre prejudicial à saúde; e, em caso de suspeita da doença, procure o seu médico ou a unidade básica de saúde mais próxima para diagnóstico e adequado tratamento.

    DIFERENÇA ENTRE RESFRIADO, GRIPE COMUM E GRIPE H1N1

    As famílias do Vale Renda foram orientadas sobre as diferenças básicas que existem entre um simples resfriado, gripe comum e a gripe H1N1.

    Por exemplo, o sintoma da febre, nos casos de um simples resfriado, praticamente não existe. Na gripe comum, a febre raramente chega a 39º, mas na gripe H1N1, a febre logo sobe a mais de 39º e é acompanhada de dores de cabeça intensas, calafrios frequentes, cansaço, dores musculares, ardência nos olhos e uma tosse seca e contínua.

    Tendo esses sintomas, é importante que a pessoa seja conduzida a uma unidade de Estratégia de Saúde da Família (ESF) ou Estratégia de Agentes Comunitários de Saúde (EACS), mais próxima da residência do paciente.

    “Em todas as nossas unidades de Atenção Básica de Saúde, existem profissionais devidamente capacitados e competentes para o adequado diagnóstico e medicação”, assegurou Geórgia.

    ASSECOM
    Imprimir