Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    22/05/2018

    Deputado Cabo Almi e Dom Dimas debatem superação da violência em audiência pública em Corguinho

    ©Divulgação
    O presidente da Comissão de Segurança Pública e Defesa Social da Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul, deputado estadual Cabo Almi(PT), continua percorrendo os municípios do Estado para debater a temática “Fraternidade e Superação da Violência”, tema este, escolhido pela CNBB(Conferencia Nacional dos Bispos do Brasil) para a Campanha da Fraternidade deste ano. A Audiência Pública desta segunda feira (21/05) ocorreu na cidade de Corguinho com a presença da comunidade, vereadores do município e Dom Dimas Lara Barbosa, Arcebispo Metropolitano de Campo Grande. 

    A Audiência Pública ocorreu no salão paroquial e foi presidida pelo presidente da Câmara de Corguinho, vereador Reginaldo. A mesa foi composta pelo deputado Cabo Almi, Dom Dimas, vereador Evaldo Paes, presidente da Câmara Municipal de Rio Negro, vereadores de Corguinho: Benedito, Buguinho, Tião, Barrinha, Adalgiso, Hélio, Dário de Taboco, vereadores sargento de Amorim e Ironildo da cidade de Rio Negro, padre Agenor e Leila, representando o padre Jucelândio e o sargento Moura, comandante do destacamento de Taboco, distrito de Corguinho. 

    Superar a violência em um mundo tão desigual é papel fundamental do Estado e da sociedade, no sentido de se encontrar meios de inclusão que permitam o mínimo, ou maior participação das pessoas e das famílias na vida social e do trabalho honesto para se evitar ao máximo a presença da ociosidade, que normalmente leva a pequenas delinqüências e conseqüentemente o aumento da massa carcerária nos presídios de nosso Estado. 

    Cabo Almi sugere maior eficiência das políticas pública na área de formação profissional, educação, saúde, segurança pública, habitacional, assistência social e lazer com a efetiva participação de toda a sociedade, pois, segundo ele, é a única saída para superar os efeitos da violência sofrida pelas nossas crianças, jovens e idosos, constatados em todas as classes sociais, sobretudo nas classes sociais menos favorecidas e que habitam nas periferias das cidades e das zonas rurais. 

    Somos todos responsáveis e não temos o direito de fugir do nosso dever e de nossas obrigações, assegurou o parlamentar.

    ASSECOM 


    Imprimir