Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    21/05/2018

    COSTA RICA| Secretário adjunto da SED manda orçar reforma da Escola Santos Dumont, após intervenção de vereadores

    Vereadores Averaldo Barbosa, Cocó, Dr. Maia, Juvenal da Farmácia e Aílton de Amorim em reunião com o secretário adjunto da SED, Josimário Teotônio ©Divulgação
    A Câmara Municipal de Costa Rica-MS cobra a reforma urgente da Escola Estadual Santos Dumont, a unidade de ensino mais antiga do município, com 69 anos de fundação, e que atualmente funciona em um prédio construído há 37 anos. Os vereadores costarriquenses reclamam que a estrutura física da escola precisa passar por melhorias, sob pena de ameaçar inclusive a segurança de alunos, professores e funcionários da entidade.

    Na sexta-feira (18/05), os vereadores Averaldo Barbosa da Costa (MDB), Ailton Martins de Amorim (MDB), Claudomiro Martins Rosa, o Cocó (PSD), Jovenaldo Francisco dos Santos, o Juvenal da Farmácia (PSB) e o presidente da Câmara, José Augusto Maia Vasconcellos, o Dr. Maia (DEM), viajaram até Campo Grande-MS, onde se reuniram com o secretário adjunto de Estado de Educação, Josimário Teotônio Derbli da Silva, na sede da Secretaria de Estado de Educação (SED). Na ocasião, os edis cobraram a reforma urgente da Escola Estadual Santos Dumont.

    “É a mais antiga escola do nosso município, que infelizmente está na dependência da boa vontade do governo do estado, da Secretaria de Educação do estado, de fazer uma reforma que realmente a escola merece. Sabemos que a situação é muito crítica e isso foi inclusive relatado por uma professora durante as inaugurações que fizeram parte do aniversário de Costa Rica. Ela fez questão de dizer a situação caótica que se encontra o prédio e até mesmo as imediações da escola, até porque a calçada que fica ao lado da unidade está num estado realmente deplorável”, comentou Averaldo Barbosa.

    Conforme o vereador emedebista, em resposta ao pleito dos edis, Josimário Teotônio já ordenou o levantamento dos custos da reforma. “Ele despachou na nossa frente, inclusive, para que seja feito o orçamento do quanto será gasto e determinou o estudo da possibilidade de se fazer essa reforma. Mas também ele deixou muito claro que a situação (financeira) do estado não é das melhores. Eu gostaria que nós pudéssemos ter ainda nessa administração pelo menos a licitação da reforma”, contou Averaldo.

    Também na reunião com o secretário adjunto da SED, os cinco vereadores que participaram do encontro entregaram nas mãos de Josimário uma indicação assinada por todos os edis costarriquenses, onde os 11 parlamentares municipais solicitam a reforma urgente da escola e denunciam a precariedade do prédio onde funciona o estabelecimento de ensino, construído há três décadas.

    “A construção do prédio da mesma se deu há mais de 35 anos. Nesse período alguns reformas e ampliações foram feitas, mas mesmo assim a situação é no mínimo preocupante, pois coloca em risco até mesmo a integridade física dos alunos e servidores que ali trabalham. Já foram inúmeras as reivindicações deste Parlamento acerca da necessidade da reforma e até o momento pouco ou quase nada foi feito para solucionar o problema. Deve-se levar em conta também que contrariando a legislação atual, o prédio não dispõe de dispositivos e instalação de acessibilidade para portadores de necessidades especiais ou de mobilidade reduzida”, segunda consta em um trecho da indicação.

    Ainda na capital estadual, os cinco vereadores se reuniram com os deputados estaduais Eduardo Rocha (MDB) e Cabo Almi (PT), para cobrarem a liberação de recursos de emendas parlamentares do ano passado. “Infelizmente o que a gente houve lá é que há a necessidade de se liberar, mas depende da boa vontade do governador do estado (Reinaldo Azambuja). Sabemos também do momento não dos melhores financeiramente que passa o Mato Grosso do Sul. Queira Deus que nos próximos dias o investimento venha, até porque já está chegando o momento das novas emendas parlamentares e até agora não se liberou as do ano passado”, enfatizou Averaldo Barbosa.

    ASSECOM


    Imprimir