Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    09/05/2018

    Chega a R$ 187,7 mil valor em fraudes no Seguro-Desemprego no Mato Grosso do Sul

    Sistema Antifraude do Ministério do Trabalho bloqueou o pagamento de 33 benefícios no estado, desde dezembro de 2016

    ©Ilustração
    O Mato Grosso do Sul chegou a R$ 187,7 mil em benefícios bloqueados pelo Ministério do Trabalho, desde a entrada em operação do sistema de Detecção e Prevenção à Fraude no Seguro-Desemprego (Antifraude), em dezembro de 2016. Até abril de 2018, foram 33 casos registrados no estado. “São benefícios para os trabalhadores em caso de desemprego, mas estavam sendo desviados por criminosos. O Antifraude usado por nossa fiscalização ajuda a identificar e bloquear esse desvio, garantindo o direito dos trabalhadores”, afirmou o ministro do Trabalho, Helton Yomura.

    A maioria dos casos foi registrada no município de Três Lagoas, com 10 fraudes bloqueadas, totalizando um valor de R$ 63,3 mil. Depois, destacaram-se a capital, Campo Grande, com 8 casos e fraudes de R$ 36,2 mil; e Ribas do Rio Pardo, que teve 4 requerimentos bloqueados, chegando a R$ 31,8 mil. Todas as fraudes bloqueadas no Mato Grosso do Sul foram na modalidade Emprego Formal.


    Nacional – Em todo o Brasil, o sistema de Detecção e Prevenção à Fraude no Seguro-Desemprego (Antifraude) implantado pelo Ministério do Trabalho (MTb) em dezembro de 2016 já proporcionou uma economia de quase R$ 1 bilhão aos cofres públicos até abril de 2018. Com quase 62 mil requerimentos bloqueados nesse período, o Antifraude chega perto de R$ 313,7 milhões em fraudes bloqueadas em todo o Brasil. “Esses recursos seriam levados por quadrilhas organizadas que, ao longo do tempo, fraudaram e roubaram o dinheiro dos cofres públicos, mas agora elas estão sendo identificadas e interceptadas, com o uso da tecnologia de ponta”, afirma o ministro do Trabalho substituto, Helton Yomura. 

    Implantado no âmbito da Secretaria de Políticas Públicas de Emprego (SPPE), o sistema Antifraude é uma solução avançada de análise, que utiliza tecnologia de ponta para colher dados, informações e conhecimentos, subsidiando o processo de detecção de indícios de fraudes, conluios e riscos associados à gestão de recursos do Seguro-Desemprego, em todas as suas modalidades – Emprego Formal, Doméstico, Pescador e Bolsa Qualificação.

    O secretário-executivo do MTb, Leonardo Arantes, explica que esta solução também inclui funcionalidades e recursos tecnológicos para auxiliar e alavancar as atividades de controle quando há manipulação, análise e tratamento de grandes volumes de dados. “Assim, construímos no Ministério do Trabalho uma Arquitetura de Informação, tipo Big Data, para combate à fraude”, diz Arantes.

    A economia total, no montante exato de R$ 965.589.391,00 até agora, inclui a soma de R$ 313.695.406,00 em fraudes já bloqueadas e R$ 651.893.985,00 em ilícitos previstos. No primeiro caso, a fraude já ocorreu, mas o MTb conseguiu impedir o pagamento de parcelas previstas; no segundo, são consideradas fraudes evitadas desde o início do projeto, além de uma projeção da Coordenação do Seguro-Desemprego de ilícitos que seriam cometidos nos próximos 12 meses, mas que foram impedidos com o uso da tecnologia. “A previsão é de chegar ao total de R$ 1 bilhão em economia para os cofres públicos em breve”, explica o ministro Helton Yomura.

    Desde a criação do sistema, o Ministério do Trabalho, em conjunto com a Polícia Federal, já deflagrou cinco operações de combate a fraudes no Seguro-Desemprego, que resultaram em 31 prisões.

    ASSECOM/MTE
    Imprimir

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS