Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    10/04/2018

    TRÊS LAGOAS| SEMEC faz orientações aos Diretores dos CEIs sobre a síndrome “mão-pé-boca”

    Orientação é que os pais encaminhem os filhos ao médico nos primeiros sintomas e não levem as crianças aos CEIs para evitar surto da doença

    © Ilustração
    A Secretaria Municipal de Educação e Cultura (SEMEC) de Três Lagoas tem recomendado aos Diretores dos Centros de Educação Infantil (CEI) da Cidade cautela para prevenir quanto a um surto da síndrome mão-pé-boca: enfermidade contagiosa causada pelo vírus Coxsackie da família dos enterovírus comum na infância antes dos cinco anos de idade.

    São sinais característicos da doença mão-pé-boca, febre alta nos dias que antecedem o surgimento das lesões; aparecimento na boca, amídalas e faringe de manchas vermelhas com vesículas branco-acinzentadas no centro que podem evoluir para ulcerações muito dolorosas; erupção de pequenas bolhas em geral nas palmas das mãos e nas plantas dos pés, mas que pode ocorrer também nas nádegas e na região genital.

    Segundo o site do Dr. Drauzio Varella, a transmissão se dá pela via fecal/oral, através do contato direto entre as pessoas ou com as fezes, saliva e outras secreções, ou então através de alimentos e de objetos contaminados. Mesmo depois de recuperada, a pessoa pode transmitir o vírus pelas fezes durante aproximadamente quatro semanas. Não existe vacina contra a doença.

    Segundo a chefe de gabinete da SEMEC, Neuza Inácio da Silva, apenas um CEI evidenciou o problema. Porém os Diretores de todas as Unidades estão sendo orientados a avisarem os pais sobre o problema e os aconselharem a levarem os filhos desde os primeiros sintomas ao médico para já buscarem tratamento e solicitarem um atestado para que os filhos permaneçam em casa para evitar um surto da doença na Cidade.

    “Neste caso aconselhamos os pais a não levarem os filhos nestes dias na escola, pois a doença é contagiosa. Os médicos darão um atestado para a criança poder se recuperar em casa sem precisar ter contato com outras crianças”, afirmou.

    SINTOMAS

    Ainda de acordo com o site do Dr. Drauzio Varella, o período de incubação oscila entre um e sete dias. Na maioria dos casos, os sintomas são leves e podem ser confundidos com os do resfriado comum. Quando a sintomatologia típica da doença mão-pé-boca se instala, a erupção das lesões na orofaringe é antecedida por um período de febre alta e gânglios aumentados, seguido de mal-estar, falta de apetite, vômitos e diarreia. Por causa da dor, surgem dificuldades para engolir e muita salivação. Por isso, é preciso redobrar os cuidados para manter a criança bem hidratada e recebendo alimentação adequada.

    DIAGNÓSTICO

    O diagnóstico é clínico, baseado nos sintomas, localização e aparência das lesões. Em alguns casos, os exames de fezes e a sorologia (exame de sangue) podem ajudar a identificar o tipo de vírus causador da infecção.

    É muito importante estabelecer o diagnóstico diferencial com outras doenças que também provocam estomatites aftosas ou vesículas na pele.

    TRATAMENTO

    Ainda não existe vacina contra a doença mão-pé-boca. Em geral, como ocorre com outras infecções por vírus, ela regride espontaneamente depois de alguns dias. Por isso, na maior parte dos casos, o tratamento é sintomático com antitérmicos e anti-inflamatórios. Os medicamentos antivirais ficam reservados para os casos mais graves.

    O ideal é que o paciente permaneça em repouso, tome bastante líquido e alimente-se bem, apesar da dor de garganta.

    RECOMENDAÇÕES

    Nem sempre a infecção pelo vírus Coxsackie provoca todos os sintomas clássicos da síndrome. Há casos em que surgem lesões parecidas com aftas na boca ou as erupções cutâneas; em outros, a febre e a dor de garganta são os sintomas predominantes. Fique atento, portanto;

    Alimentos pastosos, como purês e mingaus, assim como gelatina e sorvete, são mais fáceis de engolir; já os alimentos ácidos, muito quentes e condimentados são mais difíceis;

    Bebidas geladas, como sucos naturais, chás e água são indispensáveis para manter a boa hidratação do organismo, uma vez que podem ser ingeridos em pequenos goles;

    Crianças devem ficar em casa, em repouso, enquanto durar a infecção;

    Lembre sempre de lavar as mãos antes e depois de lidar com a criança doente, ou levá-la ao banheiro. Se ela puder fazer isso sozinha, insista para que adquira e mantenha esse hábito de higiene mesmo depois de curada.

    *Com informações do site do Dr. Drauzio Varella

    Fonte: ASSECOM
    Imprimir

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS