Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    09/03/2018

    Trabalhadores dos Correios fazem paralisação nacional na segunda, dia 12 de março

    © Divulgação
    Os trabalhadores dos Correios fazem uma paralisação nacional no dia 12 março contra alteração no Acordo Coletivo de Trabalho vigente, com validade até o dia 31 julho. O Acordo Coletivo foi assinado pelas duas partes (empresa e representação dos trabalhadores) e foi homologado pelo TST (Tribunal Superior do Trabalho), porém a direção dos Correios entrou com um pedido de dissídio no TST pedindo alteração na cláusula que trata do Plano de Saúde dos Trabalhadores, com a finalidade de excluir pais e mães do plano. Além disso a empresa suspendeu férias, ao mesmo tempo em que promove demissões através de Planos de Demissão Incentivadas.

    “Temos um acordo assinado pela empresa e homologado pelo TST. Agora querem mudar antes do prazo de validade do acordo. Isso é quere mudar o resultado de um jogo depois do jogo ter terminado, o resultado aceito por todos e a súmula assinada” afirma a presidente do SINTECT-MS (Sindicato dos Trabalhadores dos Correios de Mato Grosso do Sul, Elaine Reginal Oliveira. “O que vale então um Acordo Coletivo homologado pelo TST? O desmonte das leis trabalhistas vai chegar ao ponto dos Acordos Coletivos não terem mais validade legal nenhuma?”, questiona.

    Segundo Elaine, a paralisação nacional é uma deliberação da Federação Nacional da categoria e visa defender o Acordo Coletivo. “Nossos direitos estão ameaçados. Lamentamos o transtorno que toda paralisação traz para a população. Mas quem defenderá nossos direitos por nós?”

    Ela aponta também a contradição do discurso da empresa. “Acabam de revogar as férias de todos os funcionários. Há falta de pessoal em todos os setores. Os atrasos aumentam. Mas ao mesmo tempo a empresa promove demissões. De 124 mil trabalhadores, os Correios tem hoje cerca de 106 mil. Estão desmontando uma estatal que sempre funcionou a contento, estão desmoralizando deliberadamente os Correios para justificar a sua privatização. O que o governo Temer está fazendo é um crime contra o patrimônio da nação para atender interesses empresariais privados”.

    A paralisação tem início à zero hora do dia 12 de março.

    Fonte: ASSECOM


    Imprimir

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS