Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    16/03/2018

    Reinaldo Azambuja volta a exigir presença federal nas fronteiras

    © Chico Ribeiro
    O governador Reinaldo Azambuja voltou a exigir que o Governo Federal se responsabilize pela segurança nas fronteiras do Brasil com países vizinhos. Em entrevista à imprensa, nesta sexta-feira (16.3), Reinaldo Azambuja reiterou que as polícias de Mato Grosso do Sul tomam conta das divisas territoriais entre Brasil, Bolívia e Paraguai, mesmo sendo a faixa de fronteira responsabilidade da União. Para o governador, a presença conjunta da Polícia Federal, da Polícia Rodoviária Federal e das Forças Armadas nas divisas do País é a solução para diminuir a violência nos grandes centros brasileiros, como Rio de Janeiro e São Paulo. Confira abaixo a íntegra da fala do governador.

    “Nós não precisamos de mais reunião para discutir fronteira. O que precisa é ação, que o Governo Federal realmente entenda que se não colocarmos forças federais na fronteira vai acontecer o que nós estamos vendo no dia a dia nas grandes cidades – acabamos perdendo a guerra para o tráfico e para o crime organizado. Temos que fechar as fronteiras do Brasil, colocar a Polícia Federal, a Polícia Rodoviária Federal e o Exército para fazermos uma blindagem nas fronteiras. Aí eu não tenho dúvida que vai diminuir muito os problemas do Rio de Janeiro, de São Paulo e dos grandes centros. Agora é ação. Nós estamos prontos e estamos ajudando o Governo Federal, pois quem cuida das fronteiras de Mato Grosso do Sul hoje é o DOF e a Polícia Militar Rodoviária. Agora, queremos ver se eles [Governo Federal] vão montar o Núcleo de Inteligência de Fronteira, que foi prometido por quatro ministros da Justiça e não foi cumprido por nenhum. Espero que agora, com o ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, eles possam implementar essas ações para dar efetividade no trabalho de segurança das fronteiras”.

    Fonte: Portal do Governo de Mato Grosso do Sul
    Por: Bruno Chaves – Subsecretaria de Comunicação (Subcom)


    Imprimir