Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    01/03/2018

    Entenda o projeto aprovado pela Câmara que regulamenta Uber e Cabify

    Texto irá à sanção presidencial. Foram 283 votos a favor da regulamentação por municípios, 29 contra e 4 abstenções.

    ©Sérgio Lima/Poder360 
    A Câmara finalizou nesta 4ª feira (28.fev.2018) a votação do projeto que regulamenta aplicativos de transporte, como Uber e Cabify. O texto agora segue para sanção presidencial.

    Pelo relatório que saiu do Congresso, as prefeituras poderão regulamentar e fiscalizar o serviço. A regulamentação será opcional, ou seja, as cidades não são obrigadas a fazê-la. São exemplos de cidades que já estipularam regras do tipo São Paulo, Curitiba e Goiânia.

    Durante os debates do projeto, deputados discutiram quais regras poderão ser definidas. A princípio, os municípios poderão exigir:
    • cobrança de tributos pelo serviço;
    • contratação pelas empresas de seguro de Acidentes Pessoais a Passageiros (APP) e Seguro Obrigatório de Danos Pessoais causados por Veículos Automotores de Vias Terrestres (DPVAT);
    • inscrição do motorista como contribuinte individual do INSS.
    No entendimento do relator, Daniel Coelho (PSDB-PE), as cidades também poderão estabelecer 1 limite de carros que podem circular e regulamentar questões referentes à segurança, higiene e conforto dos carros.

    Foram 283 votos a favor da regulamentação por municípios, 29 contra e 4 abstenções. As empresas dos aplicativos defendiam que as prefeituras tivessem apenas o poder de fiscalização.

    Por 227 votos a 166, a Câmara retirou a necessidade de autorização prévia por meio de licença individual concedida por prefeitura aos motoristas dos aplicativos.

    Deputados favoráveis aos taxistas também tentaram incluir a obrigatoriedade de emplacamento especial –semelhante à placa vermelha de táxis–, mas o trecho foi rejeitado por votação simbólica, ou seja, sem contagem de votos.

    REQUISITOS PARA MOTORISTAS

    Pelo texto, os motoristas dos aplicativos serão obrigados a ter:
    • carteira de motorista de categoria B ou superior dizendo que exerce atividade remunerada;
    • veículo que não ultrapasse idade máxima prevista em lei;
    • certificado de antecedentes criminais;
    • Certificado de Registro e Licenciamento de Veículo (CRLV).
    O motorista que não atender as regras terá o serviço considerado como “transporte ilegal de passageiros”.

    EMPRESAS COMEMORAM

    A votação foi acompanhada de perto por representantes de taxistas e das empresas de aplicativos. Dias antes da decisão, eles já tomavam as dependências da Câmara e pressionavam os deputados a votarem de uma forma ou de outra. Assim que o projeto foi aprovado, as empresas 99, Cabify e Uber divulgaram notas comemorando o resultado. Leia o que cada companhia disse:
    • 99: “Entendemos que o texto final aprovado pelos deputados é equilibrado ao retirar a burocracia e pontos que inviabilizavam o serviço no país”, leia a íntegra.
    • Cabify: “O resultado de hoje coloca o Brasil como protagonista na vanguarda da inovação e na construção de soluções para a mobilidade urbana ao estabelecer uma regulamentação equilibrada e sinalizar positivamente para investimentos ligados à inovação”, leia a íntegra.
    • Uber: “O novo texto hoje aprovado pela Câmara dos Deputados ouviu a voz dos 20 milhões de usuários e 500 mil motoristas parceiros que encontraram na Uber novas formas de mobilidade e de geração de renda no Brasil”, leia a íntegra.
    Fonte: Poder360


    Imprimir