Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    01/02/2018

    Resultados indicam que população está mais perto da Prefeitura

    © Divulgação
    Com novo conceito administrativo e operacional, e sem acrescentar qualquer custo adicional ao orçamento, a Ouvidoria Geral do município de Campo Grande vem implementando um modelo eficiente de aproximação entre a sociedade e o poder público. O órgão consolidou-se como ferramenta estratégica na execução de uma atribuição vital do Executivo, que é não deixar os chamados da população sem resposta, sobretudo quando há lacunas na prestação de serviços essenciais. 


    © Divulgação
    Criada em 2012 e funcionando desde o ano seguinte, a Ouvidoria tem como papéis principais receber as demandas da comunidade e encaminhá-las aos setores responsáveis para as providências pertinentes. Na atual administração, com planejamento apropriado e nova dinâmica, o serviço ficou mais ágil e produtivo, com níveis de resolutividade que fizeram de Campo Grande um dos modelos nacionais de desempenho no gênero, segundo o Ouvidor Geral do município, Antonio Ueno (Tony). 


    Com a implantação da plataforma “Fala Campo Grande”, o prefeito Marquinhos Trad (PSD) instalou uma dinâmica inovadora e eficiente de interatividade com os seus munícipes, fazendo da cidade a primeira de Mato Grosso do Sul a implantar o sistema com aplicativo. E essa eficiência é atestada nos relatórios que detalham o desempenho da Ouvidoria em toda sua existência. 

    Só com o “Fala Campo Grande”, ativado em nove de agosto de 2017, até o dia 28 deste mês foram atendidas 17.642 pessoas. Os dados oficiais indicam que os atendimentos feitos em um ano pela administração de Marquinhos Trad superam em oito vezes os registrados em quatro anos da gestão anterior, quando aconteceram 2.230 notificações do serviço entre 2013 e 2015. A maior parte das demandas envolve pedidos e reclamações sobre iluminação pública, tapa-buracos e serviços em unidades da Saúde e Educação. “Todas essas demandas geram um protocolo. A demanda é recebida e logo enviada ao setor responsável”, explica Tony Ueno. 

    CURSOS – Por meio da Ouvidoria Geral, somente no ano passado foram capacitados mais de 700 servidores do município, entre eles guardas civis municipais, agentes de trânsito e servidores do setor da saúde. Os cursos focam a convivência interna e o aprimoramento do receptivo externo em itens de humanização, acolhimento e atendimento em excelência. 

    A Ouvidoria tem cinco portas de acesso para a comunidade apresentar solicitações, reclamações, sugestões, denúncias e elogios: o aplicativo “Fala Campo Grande”, que pode ser baixado no play store; o site www.fala.campogrande.ms.gov.br; o telefone 156, que funciona das 7h30min às 22h, de segunda a sexta-feira; o e-mail: ouvidoriageral@cgm.ms.gov.br; e o atendimento presencial, em salas do andar térreo do Paço Municipal (na Avenida Afonso Pena, 3.297).

    O serviço está implantado em seis órgãos municipais: as secretarias de Educação, Saúde, Infraestrutura e Segurança, além do Instituto Municipal de Previdência (IMPCG) e Agência de Regulação (Agereg). Nas demais secretarias e repartições existem um núcleo de servidores capacitados para fazer atendimento e receber as demandas. 


    © Divulgação
    Tony Ueno destaca que também foi implantada a Ouvidoria do Servidor Municipal e que a partir de março próximo será iniciado o trabalho da Ouvidoria Itinerante. Esta se encarregará de envolver escolas, condomínios, entidades comunitárias e demais organizações sociais para avaliar e antecipar as demandas. A Ouvidoria faz parte da Secretaria; Controladoria do Município de Campo Grande, cujo titular é o advogado, Dr. Evandro Ferreira Viana Bandeira. 

    O conceito de funcionamento da Ouvidoria de Campo Grande propõe relação próxima e transparente entre Prefeitura e a população. Para atingir esse objetivo plenamente, a Ouvidoria vem realizando um processo interno de reestruturação funcional e gerencial, criando um ambiente novo na convivência entre os funcionários e estendendo esse ambiente ao acolhimento da sociedade. 

    Fonte: ASSECOM


    Imprimir

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS