Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    20/02/2018

    O relógio contra Lula: um novo prazo se encerra hoje

    O ex-presidente tem até as 23h59 desta terça-feira para apresentar seus últimos recursos na 2ª instância de Justiça, no caso do tríplex do Guarujá.

    Lula: os advogados tiveram 10 dias para abrir a notificação, mas não o fizeram © Divulgação
    A defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) tem até as 23h59 desta terça-feira para apresentar seus últimos recursos na segunda instância de Justiça, onde o petista foi condenado por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso do tríplex do Guarujá.

    O Tribunal Regional Federal da 4ª Região protocolou no último dia 6 de fevereiro o acórdão que divulga a decisão dos desembargadores de Porto Alegre. Dali, começou a contar o prazo para que os advogados de Lula respondessem.

    Os advogados tiveram 10 dias para abrir a notificação, mas não o fizeram. Ao término desse prazo, 48 horas são contadas até que se encerre o protocolo. Estava evidente que todo o prazo seria usado e a estratégia é simples de entender.

    Ao decretar a nova pena de 12 anos e um mês de prisão, os juízes do TRF-4 determinaram que Lula poderia passar a cumprir execução antecipada de pena. Sem meias palavras, pode ir para a prisão.

    Como noticiou EXAME, a nova configuração da defesa de Lula, capitaneada pelo ex-presidente do Supremo Tribunal Federal Sepúlveda Pertence, quer usar o máximo dos prazos para buscar um habeas corpus nos tribunais superiores, o Supremo e o Superior Tribunal de Justiça.

    Como os embargos de declaração, que serão protocolados hoje, demoram em média um mês para serem julgados, o cronômetro volta a fazer pressão nos advogados do petista.

    Sem a possibilidade de reverter pelos recursos possíveis na segunda instância a condenação decretada, Lula precisa de uma libertação suspensiva no próximo mês para seguir sonhando com uma campanha eleitoral.

    Mesmo sendo líder nas pesquisas de intenção de voto, caso seja preso, o ex-presidente não poderá viajar o país ou gravar programas eleitorais. Seria o fim da linha não só para pretensões futuras, mas para sua carreira política. Março será o mês definitivo.

    Por EXAME Hoje


    Imprimir

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS