Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    07/02/2018

    Novo impasse pode atrasar retomada das obras do Aquário do Pantanal

    Reinaldo disse que empresas divergiram sobre aditivos

    ©Cleber Gellio
    Anunciada no dia 18 de janeiro, a retomada das obras do Aquário do Pantanal, que vão custar quase R$ 40 milhões, podem sofrer novos atrasos, já que as duas empresas escolhidas, com dispensa de licitação, ainda não entraram em consenso com o governo estadual.

    O governador Reinaldo Azambuja (PSDB) afirmou, durante agenda pública na manhã desta quarta-feira (7), que os contratos ainda não foram assinado, já que há divergências sobre a possibilidade de novos aditivos.

    “Queremos o contrato cuja planilha já foi apresentada com os preços fixado”, afirmou o governador.

    O governo já havia anunciado que a construtora Maksoud Rahe deve receber R$ 27.5 milhões para a “obra de conclusão da construção do prédio do Centro de Pesquisa e Reabilitação da Ictiofauna Pantaneira – “Aquário do Pantanal”, e a Tecfasa Brasil Soluções em Eficiência terá R$ 11,2 milhões para executar “serviços técnicos especializados para fins de consecução do Sistema de Suporte a Vida (filtragem, automação e iluminação e construção cenográfica)”.

    “É uma decisão normal, você não tem como forçar ninguém a assinar o contrato, que é bilateral, tem clausulas que protegem o contratante, no caso o Estado, e o contratado”, explicou Azambuja.

    Apesar da demora, o Chefe do Executivo Estadual frisou que já recebeu do secretário de obras do Estado, a informação de que o impasse já estaria resolvido, faltando apenas assinatura do contrato, para imediato início das obras.

    Fonte: Midiamax
    por: Ludyney Moura e Richelieu Pereira


    Imprimir