Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    18/12/2017

    Governo altera 'pacote de bondades' em troca de apoio

    Com votação de reforma só em 2018, o Planalto decidiu esvaziar o 'pacote de bondades'

    © Beto Barata/PR
    A equipe econômica de Michel Temer (PMDB) vai fazer alterações no 'pacote de bondades' anunciado em troca de apoio para a votação da reforma da Previdência em 2018. De acordo com a Folha de S. Paulo, as medidas negociadas deverão sofrer alterações, como a liberação de verba a municípios, o projeto que permite o parcelamento de dívidas (Refis) de micro e pequenas empresas e o que dá aval a União, Estados e municípios para venderem ao setor privado o direito sobre créditos parcelados, a chamada securitização.

    Integrantes do Ministério da Fazenda avaliam que, sem a reforma da Previdência, o governo não terá dinheiro para cumprir compromissos e manter a meta fiscal do ano que vem, fixada em um deficit de R$ 159 bilhões.

    Os primeiros prejudicados serão prefeitos e deputados. Temer havia prometido - caso a reforma fosse aprovada - que iria liberar mais R$ 3 bilhões aos municípios em 2018, desde que metade desses recursos fosse utilizada em projetos na área da saúde.

    O presidente também remanejou R$ 5,3 bilhões do Orçamento de 2018 para repassá-los aos parlamentares às vésperas da eleição.

    Segundo integrantes da equipe econômica, o governo terá que cortar várias dessas medidas e amenizar algumas delas, que não poderão ser totalmente suspensas.

    A votação da reforma da Previdência foi adiada para fevereiro. Ao longo da semana, o ministro Henrique Meirelles (Fazenda) estava pessimista quanto à aprovação da reforma, o governo sabia nunca ter chegado perto dos 308 votos necessários na Câmara.

    Fonte: NAOM


    Imprimir

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS