Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    27/12/2017

    Com 300 desalojados, Prefeitura de Porto Murtinho decreta situação de emergência

    Fortes chuvas que atingiram o município causaram alagamento de casas

    Bairro Cohab foi o mais atingido © Toninho Ruiz
    Prefeitura de Porto Murtinho decretou situação de emergência nas áreas afetadas por alagamento do município. Por conta das fortes chuvas que atingiram causaram inundações e 300 pessoas estão desalojadas.

    Decreto de emergência foi assinado ontem pelo prefeito Derlei Delevatti e publicado na edição de hoje do Diário Oficial do Município.

    Conforme a publicação, foram alagados o bairro Cohab e a região do quilômetro 6 e, em decorrência desses alagamentos, várias casas foram atingidas, gerando a necessidade de retirada dos moradores, que foram encaminhados à abrigos municipais ou para casa de parentes. Diante destes casos, Defesa Civil emitiu parecer favorável a declaração de situação de emergência.

    Em três dias foram registrados 368 milímetros de chuva em Porto Murtinho. Apesar de hoje as precipitações terem dado uma trégua, previsão é que as pancadas de chuva continuem pelo menos até o fim de semana.

    Com o decreto, foi autorizada a mobilização de todos os órgãos municipais, para atuarem sob a coordenação da Defesa Civil, nas ações de resposta e reabilitação e reconstrução das áreas atingidas e a convocação de voluntários para reforçar as ações e realizar campanha de arrecadação de recursos junto à comunidade.

    As autoridades administrativas e os agentes da Defesa Civil também foram autorizados a entrar nas casas dos moradores para prestar socorro ou determinar a pronta evacuação e usar propriedade particular no caso de iminente perigo público, assegurada ao proprietário a indenização no caso de danos.

    Conforme determina a legislação, com a decretação de emergência ficam dispensados de licitação os contratos de bens necessários às atividades de resposta ao desastre, de prestação de serviços e de obras relacionadas com a reabilitação dos cenários, desde que concluídas no no prazo máximo de 180 dias consecutivos.

    INUNDAÇÕES

    A Marinha do Brasil informou que o Rio Paraguai atingiu 4,62 metros ontem (26), ou seja, está 1,08 metro acima do nível normal. No entanto, alagamento não foi causado pela cheia do rio, mas por conta das fortes chuvas.

    Maioria das casas alagadas está localizada no bairro Cohab, onde segundo o coordenador adjunto da Defesa Civil estadual, Fábio Cararinelo, os canais construídos não deram conta de dar vazão e a água da chuva invadiu as casas. 

    Mesmo com o apelo de equipes da Defesa Civil, moradores apresentaram resistência para sair de suas casas e segundo a assistente social do município, Aline Costa, algumas só aceitam sair quando estão vendo a água entrar em casa e não é aconselhável esperar até esse ponto. “Os bombeiros e Exército estão nos ajudando com botes”, completou ela.

    Em razão das fortes chuvas, de setembro até agora, dez cidades do Estado decretaram situação de emergência: Bataiporã, Deodápolis, Coronel Sapucaia, Itaquiraí, Japorã, Eldorado, Rio Verde de Mato Grosso, Bataguassu, Miranda e Novo Horizonte do Sul.

    Fonte: CE
    Por: GLAUCEA VACCARI


    Imprimir