Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    19/12/2017

    Atuação premiada, “ficha limpa” e trabalho nos municípios, Moka apresenta suas armas em busca da reeleição

    © Divulgação
    O senador sul-mato-grossense Waldemir Moka (PMDB) anunciou que disputará a reeleição em 2018. Considerado um dos três melhores parlamentares do país em 2016, de acordo com o site Ranking Políticos, assessores do senador estimam que ele deverá ter apoio de ao menos 50 dos 79 prefeitos do Estado.

    Autor de projetos de grande interesse para a população, como o que obriga o preso a pagar por suas despesas na prisão, o que dá estabilidade provisória para empregados em tratamento contra o câncer, ou ainda o que acelera as pesquisas clínicas no país, o senador peemedebista é um dos poucos políticos no Congresso que nunca mudaram de partido.

    Filiado ao velho MDB em 1978, quando ainda era estudante de Medicina na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Moka diz que se espelha em figuras históricas do partido, como Tancredo Neves, Teotônio Vilela, Ulysses Guimarães, Pedro Simon e Wilson Barbosa Martins.

    Moka vai disputar sua nona eleição sem saber o que é derrota. Começou como vereador em Campo Grande, em 1982, três mandatos de deputado estadual, outros três como deputado federal e a última para senador em 2010. 

    Três fatores fazem de Moka favorito a manter a vaga de senador: nunca se envolveu em irregularidades, atuação parlamentar aprovada e trabalho intenso com as prefeituras, destinando recursos para obras e projetos à maioria dos municípios. 



    Imprimir