Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    quarta-feira, 18 de outubro de 2017

    Em Fórum sobre Suicídio Carlão ouve clamor de professores por atuação de psicólogos e assistentes sociais nas escolas

    Participante relata emocionada que tentou suicídio por duas vezes 

    © Divulgação
    Durante o 1° Fórum de Discussão de “Combate ao Suicídio – Falar é a melhor solução”, realizado na noite desta terça-feira (17) no plenário da Câmara Municipal, o vereador Carlos Augusto Borges (PSB), ouviu o clamor de um grupo de professores das Escolas Municipais Profº Licurgo de Oliveira Bastos e Iracema de Souza Mendonça sobre a “necessidade urgente da atuação de assistentes sociais e psicólogos nas escolas”. Um dos temas do Fórum foi à execução da Lei 5.613 de autoria do vereador Carlão, promulgada desde 2015, que prevê a implantação de medidas de prevenção ao suicídio nas escolas municipais da Capital.

    “A situação é muito grave e séria. Convivemos diariamente com relatos de alunos em situação de vulnerabilidade social. São alunos que apresentam quadros pré depressivos e até de depressão, inclusive com mutilações. Crianças e adolescentes em situações de potencial suicídio. Nós como professores não temos condições de atender essa demanda que se instalou nas escolas e hoje é uma verdadeira epidemia no país. Precisamos da atuação de profissionais preparados para identificar esses quadros, fazerem um tratamento adequado e um encaminhamento oportuno. Sozinhos não vamos conseguir!”, disse uma das professoras presentes que preferiu não ter o nome revelado.

    A fala da professora foi reforçada pelo médico psiquiatra Juberty Antônio de Souza, que compôs a mesa do Fórum representando o Conselho Regional de Medicina de Mato Grosso do Sul: "No Brasil a maior concentração de suicídios está entre os adolescentes e adultos jovens, independente das etnias. Mas existem muitos casos de depressão entre professores, umas das profissões mais sobrecarregadas do momento e é preciso estar bem para atender alguém. É preciso uma atuação multidisciplinar nas escolas, com envolvimento de assistentes, psicólogos e da saúde pública. Devemos trabalhar com prevenção e tratamento aos casos identificados”.

    O fórum teve como objetivo promover um debate sobre a prevenção e combate ao suicídio, discutindo com as entidades e órgãos relacionados ao tema as reais necessidades de atendimento ao cidadão.
    © Divulgação
    O vereador Carlão ressaltou que vai levar os assuntos abordados durante o Fórum para o prefeito Marquinhos Trad e cobrar a execução da Lei 5.613/15 e também da Lei 5.192/13, que dispõe sobre a obrigatoriedade da atuação do assistente social na Rede Municipal de Ensino, Escolas e Ceinf's.

    “São duas leis de minha autoria e que não estão sendo executadas, mas podem salvar vidas, já que a atuação de medidas de prevenção ao suicídio e o trabalho de assistentes sociais atendem uma demanda real e que hoje é um clamor dos profissionais da educação. Também vou apresentar uma lei cobrando a presença de psicólogos nas escolas. Meu compromisso é não desistir desta luta!”, disse Carlão.

    Um dos pontos emocionantes do evento foi o depoimento da advogada Laura Cândia relatou que por duas vezes tentou suicídio. "Por duas vezes tentei suicídio. É preciso falar sobre o assunto. A pessoa está passando por um momento de transtorno e não encontra saída. O caminho que ela vê é o suicídio. Eu agradeço por ter saído com vida. O que mais me chama atenção são os casos com os jovens, a Secretaria de Educação tem que olhar mais, dar suporte para as famílias. O Fórum é um momento de conscientização, precisamos sair daqui com uma idéia fixa de realizar um trabalho mais efetivo no combate ao suicídio”, frisou.

    Participaram do Fórum, organizado pela Escola do Legislativo da Câmara Municipal, os vereadores Carlão, Enfermeira Cida Amaral, Delegado Wellington, Chiquinho Telles, William Maksoude e enfermeiro Fritz. Representantes da Secretaria Municipal de Saúde - Maria Sueli Mendes, Secretaria Municipal de Educação - Anny Michele, Grupo de Amor a Vida (GAV) - Gerson, Conselho Regional de Medicina de MS - médico psiquiatra Juberty Antônio de Souza e a psicóloga Giovana Guzzo Freire Verão, representante do Conselho Regional de Psicologia de MS.

    Fonte: ASSECOM
    Por: Janaina Gaspar


    Imprimir

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS