Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    quarta-feira, 4 de outubro de 2017

    Deputada apresenta moção de repúdio ao presidente da Câmara de Água Clara

    © Divulgação
    As declarações agressivas proferidas pelo vereador água-clarense, em sessão da Câmara de Vereadores de Água Clara, repercutiram na Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso do Sul. 

    A deputada estadual Mara Caseiro (PSDB) apresentou moção repudiando a atitude do vereador Vicente Amaro de Souza Neto (PDT) contra a colega parlamentar Gerolina da Silva Alves (PSDB), em razão de a vereadora ter feito requerimento solicitando informações a respeito das diligências efetuadas pelo Ministério Público Estadual na sede do legislativo por supostos funcionários fantasmas que teriam sido contratados pelo atual presidente. O presidente mandou a vereadora “calar a boca” dizendo ainda que ela “teria soltado a franga”, além de tê-la caluniado de “corrupta e ladrona”.

    De acordo com a deputada, o vereador agiu de forma machista e misógina ao desacatar a colega em virtude do gênero. “Sou defensora da democracia, da igualdade e do respeito a todos, repudio veementemente a qualquer atitude machista e misógina”, afirmou.

    O meio político brasileiro ainda é um ambiente masculino, onde a mulher é vista como figura frágil sem muita representatividade, ocupando apenas 10% dos cargos eletivos no Brasil. “Não é a primeira e infelizmente não será a última vez que uma parlamentar sofre com a discriminação em virtude de gênero, sendo ridicularizada, menosprezada e chacoteada com a finalidade de desqualificar o trabalho parlamentar”, concluiu a deputada.

    Fonte: ASSECOM


    Imprimir

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS