Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    quarta-feira, 9 de agosto de 2017

    TRÊS LAGOAS| Jornalistas se expressam pelo artesanato e aguardam Festa do Folclore com ansiedade

    Camisetas e jaquetas com pintura a mão, artesanato em feltro, vasos de concreto e arte botânica estarão nos estandes das três-lagoenses

    © Divulgação
    Elas são jornalistas por formação, atuam na área de formas diversas, mas é no artesanato e na economia criativa que Augusta Rufino, Flávia Guedes e Ana Maria Barbosa têm buscado – e encontrado – uma forma de expressão que revela um mundo mais amplo de possibilidades e que, grosso modo, tem a cara delas. As artesãs terão estandes para expor e comercializar suas artes na 29ª Festa do Folclore com objetivo de ampliar a divulgação e alcance do trabalho que já exercem e estão na correria para deixar tudo pronto e surpreender o público.

    “A Festa do Folclore vai ser uma espécie de lançamento da Flopt Art para um grande público”, afirma Flávia, que cria camisetas e jaquetas customizadas com pinturas à mão de ícones que são moda no universo digital e cultural. Ela já comercializa divulgando pela Internet e para amigos que acompanham o trabalho nas redes sociais, mas acredita que a Festa do Folclore será um impulso.

    “Fazemos um produto alegre e diferente do que existe na maioria das lojas, para um público que gosta de artesanato, porque é único, mas com uma pegada mais atual. O artesanal permite isso, algo mais individualizado e até personalizado, e isso tem sido muito compensador”, diz Flávia, que ainda atua no jornalismo, como fonte principal de renda, e oferecerá muita roupa descolada na festa do folclore. “Estamos apostando que a festa será um sucesso e, consequentemente, que a gente também tenha sucesso”, afirma ela, que, nas criações, conta com apoio do filho, Paulo Henrique, de apenas dez anos, e da fotógrafa Luana Francis.

    Já Augusta Rufino, do Ateliê Guta Rufino, está no mercado há mais tempo, mas também com maior ênfase para a comercialização por meio das redes sociais e feiras. Ela trabalha com artesanato em feltro, produzindo peças utilitárias, como chaveiros, e personagens diversos, além de produtos lúdicos, enfim, um segmento diferenciado da maioria da oferta de produtos em feltro. Adepta da economia criativa desde os nove anos de idade, quando produzia bijuterias para vender aos colegas, a jornalista deixou um emprego formal em redação de jornal, há cerca de dois anos, para atuar como artesão, embora eventualmente possa fazer um free-lancer específico de reportagem e redação.

    Guta comemora o retorno do evento, depois de três anos de interrupção. “Espero que os três-lagoenses estejam com o mesmo sentimento de ansiedade pela volta do evento, como eu estou, porque é a maior e melhor festa da cidade”, afirmou entusiasmada. Em seu estande, ela trará peças do mundo das séries de maior sucesso no cinema, TV e internet, além de peças culturais, voltadas às lendas urbanas de Três Lagoas, assim como ícones locais, como as capivaras, e presentes infantis.

    Ainda atuando com o jornalismo, em assessoria de comunicação, Ana Maria Barbosa conta que sempre fez alguns “bicos”, muitos deles gratuitos, como artesã, mas que projeta um dia viver do artesanato e da economia criativa, por meio do Miss Sunshine Ateliê Botânica, recém-criado em parceria com o marido, Cézar Müller. “Acredito fortemente que a criatividade e a produção com as próprias mãos são o caminho para as mentes inquietas e criadoras”, opina. Assim, ela vem buscando, ao longo dos anos, um nicho que reflita suas “inquietações”, chegando, atualmente à produção de vasos de concreto associada à interação com plantas, outra paixão. Além disso, ela tem um mix com mais tipos de arranjos e composições com plantas, como terrários e kokedamas, sempre com foco na associação entre arte e botânica.

    “Temos pesquisado muito. O foco é pensar, sempre, em como acomodar as plantas nas peças que produzo, harmonizando vida e objeto. Na festa, serão comercializados vasos pequenos em formatos diferenciados, avulsos ou já plantados com suculentas, cactos e outras espécies de fácil manutenção, vasos de terracota customizados, kokedamas – um arranjo japonês que dispensa vaso para o cultivo – e terrários”.

    “O entendimento é que todo mundo pode e deve ter uma planta pra chamar de sua e que ela faça parte da decoração, por que não?”, indaga. Pensando nisso e ampliando o universo, ela disporá um espaço para montagem de pequenos terrários sob demanda do cliente. E, no domingo, a partir das 15h, será oferecida uma oficina de mini terrários abertos, mostrando que qualquer pessoa pode se aventurar na arte botânica. O custo é de R$ 25,00, com todo o material incluso, e o participante – que pode ser criança – leva o objeto pronto para casa. Serão oferecidas 30 vagas e as inscrições podem ser feitas na página Miss Sunshine Ateliê Botânico, no Facebook, ou no local, durante a festa.

    Sobre o nome do ateliê, Ana explica que foi inspirado no filme “Little Miss Sunshine”, cuja história, com seus dramas, alegrias e descobertas, se passa numa Kombi amarela. “É que sonhamos, eu, a artesã, e meu marido, o “empresário” em comprar uma Kombi e sair por aí, vendendo nosso artesanato e enchendo o mundo de verde”, planeja.

    Os três estandes atenderão de 9 a 13 de agosto. De 9 a 11, vai das 18h às 23h e, sábado e domingo, dia 12 e 13, começa às 9h. O evento ocorrerá no pátio da N.O.B, na avenida Rosário Congro, e a estrada é gratuita.

    Para mais informações, seguem os links das páginas:





    Fonte: ASSECOM


    Imprimir

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS