Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    segunda-feira, 14 de novembro de 2016

    Proposta de alteração na história de Dourados gera discordância

    Parte da Comissão de Revisão História de Dourados entregou na manhã desta segunda-feira documento ao prefeito Murilo se posicionando contra sugestões de alterações na história da cidade - Foto: Chico

    Com a apresentação de sugestão de alteração em pelo menos dois itens da história de Dourados, começam a surgir oficialmente as discordâncias. O relatório destacando as propostas, foi entregue recentemente ao prefeito Murilo, pelo presidente da Comissão de Revisão Histórica de Dourados o professor Carlos Magno Mieres Amarilha e, pelo jornalista Nicanor Coelho, também integrante da Comissão.

    As sugestões são de alterar a data de aniversário de Dourados, comemorada em 20 de dezembro e, de retirar do Brasão do município, a frase “Terra de Antônio João”. 

    Um grupo de integrantes da própria Comissão de Revisão, também procurou o prefeito Murilo, nesta segunda-feira, quando apresentou, formalmente, um documento com manifestação contrária ao relatório. 
     Foto: Chico

    Ele é assinado pelo vice-prefeito, Odilon Azambuja; Paulo César Marques Torraca; Valter Mário Silva Castro; José Tibiriçá Martins Ferreira; Rozemar Mattos Souza; Oduvaldo de Oliveira Pompeu; Elizabeth Rocha Salomão, Antônio Luiz Nogueira e Solenyr Araújo Moraes. 

    “Deixamos evidenciada nossa discordância com a mudança da data de aniversário de Dourados e com qualquer item constante no relatório, do qual não tivemos a oportunidade de participar ou opinar”, cita o documento.

    O vice-prefeito Odilon Azambuja, diz que a Comissão foi criada em 16 de maio de 2013 para debater dados históricos de Dourados para fins de conhecimento da sociedade e não para sugerir qualquer tipo de mudança no que já está sacramentado nos anais da história. “A maioria dos integrantes já posicionou desde o inicio que seriam contra qualquer tipo de mudança no que já está sacramentado e documentado”, afirmou.



    Fonte: ASSECOM

    Imprimir

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS