Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    terça-feira, 22 de novembro de 2016

    Líder do governo na Câmara anuncia manifesto em apoio a Geddel

    André Moura (PSC-SE) afirmou que todos os líderes assinaram o manifesto. Para o líder, 'estão fazendo tempestade em um assunto tão pequeno'.

    Divulgação

    O líder do governo na Câmara, deputado André Moura (PSC-SE), afirmou que todos os líderes dos partidos da base de Michel Temer na Casa vão entregar nesta terça-feira (22), no Palácio do Planalto, um manifesto de apoio ao ministro da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima.

    Responsável pela articulação política do Palácio do Planalto com o Legislativo, Geddel foi acusado pelo ex-ministro da Cultura Marcelo Calero de tê-lo pressionado para liberar a obra de um edifício em Salvador que havia sido embargada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). O titular da Secretaria de Governo diz que comprou um imóvel no empreendimento localizado em um bairro nobre da capital baiana.

    Para André Moura, apesar da acusação, Geddel continua com plena condição de permanecer à frente da articulação política do governo federal.

    "Ainda hoje retornaremos aqui com a presença de todos os nossos líderes dos partidos que compõem a nossa base aliada e vamos entregar um manifesto de apoio ao Geddel", declarou André Moura após uma reunião com Geddel no Planalto.

    Nesta segunda (21), a Comissão de Ética Pública da Presidência decidiu abrir um processo para investigar a conduta de Geddel no episódio denunciado pelo ex-ministro da Cultura.

    Órgão vinculado à Presidência, a Comissão de Ética fiscaliza eventuais conflitos de interesse envolvendo integrantes do governo. O colegiado não tem poder para punir nenhum servidor público, entretanto, como é um órgão consultivo do presidente da República, pode recomendar ao chefe do Executivo sanções a integrantes do governo, entre as quais demissões.

    Antes mesmo de a comissão analisar a denúncia contra Geddel, o Palácio do Planalto já adiantou que o ministro da Secretaria de Governo não será demitido. Em um pronunciamento, o porta-voz da Presidência, Alexandre Parola, disse nesta segunda que Geddel permanecerá no cargo.

    Em uma entrevista que concedeu em maio ao Fantástico, dias depois de assumir interinamente a Presidência da República, Michel Temer afirmou que havia alertado seus ministros de que se algum deles não agisse "adequadamente" seria demitido.

    "Se houver um equívoco, ou equívocos administrativos, e no particular, se houver irregularidades administrativas, eu demito o ministro", disse Temer na entrevista concedida em maio.

    Apoio de Maia e Renan

    Além de angariar manifestações de apoio dos líderes da base na Câmara, Geddel Vieira Lima também obteve nesta terça-feira a sinalização de que os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), estarão ao seu lado durante a tempestade política.

    Em uma entrevista coletiva em São Paulo, Maia defendeu a permanência de Geddel no primeiro escalão.

    “Nós precisamos que o ministro Geddel continue no governo”, disse o presidente da Câmara, após participar de uma palestra a empresários na capital paulista.

    “O ministro Geddel tem apoio do parlamento, tem confiança do parlamento, tem exercido papel fundamental para o governo na articulação política”, complementou.

    Maia disse ainda que “tráfico de influência não é bom”, mas ressaltou que, na opinião dele, isso não ocorreu no episódio envolvendo Geddel e Calero.

    Já na visão do presidente do Senado a acusação contra o ministro é um "fato superado". Renan ressaltou que, para ele, houve uma "interpretação indevida" dos fatos e, neste momento, é preciso deixar as denúncias para trás. "E que a convergência seja novamente construída", destacou.

    O presidente do Senado também negou que o fato vá atrapalhar a aprovação de matérias de interesse do governo.

    "Esse episódio, primeiro, é um episódio superado. Segundo, não vai afetar a perspectiva que nós temos na apreciação das matérias no Senado Federal. O que nós temos é que avançar nas reformas, não só essas reformas que estão aí, mas as outras reformas que estão tramitando, para que nós possamos no curto espaço de tempo retomar o crescimento econômico do Brasil."

    Conversas informais

    Na entrevista na qual anunciou o manifesto de apoio a Geddel, o líder do governo da Câmara afirmou que, na avaliação dele, não houve interferência externa do ministro da Secretaria de Governo para liberar a obra em Salvador, mas apenas conversas informais.

    "Se tivesse [interferência externa], obviamente, a posição do Iphan seria alterada. O ministro Geddel tratou de maneira informal com o ex-ministro Calero como dois colegas", disse Moura.

    Na opinião do líder do governo, esse episódio, isoladamente, não justifica a saída de Marcelo Calero do governo, na medida em que, segundo Moura, a opinião do ex-ministro da Cultura foi "respeitada e mantida". Para o deputado do PSC, estão fazendo "tempestade" com essa denúncia.

    "Estão fazendo tempestade em um assunto tão pequeno enquanto temos assuntos muito maiores no Brasil. É um assunto para nós superado", enfatizou.

    Questionado por jornalistas se não considerava que havia ocorrido um pedido de favorecimento pessoal em uma posição pública, Moura se limitou a dizer, mais uma vez, que Geddel tratou da liberação do edifício de maneira informal.

    "Ele [Geddel] tratou de maneira informal. O assunto foi entre dois colegas e não foi de maneira oficial, em nome do governo. Essa questão é pontual", argumentou o líder da base aliada na Câmara.


    Do G1, em Brasília
    Por: Luciana Amaral
    Link original: http://g1.globo.com/politica/noticia/2016/11/lideres-da-base-vao-entregar-ao-planalto-manifesto-de-apoio-geddel.html

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS