Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    terça-feira, 11 de outubro de 2016

    MS 39 ANOS| Ao longo dos anos, MS viu população casar menos e estudar mais

    Dados do IBGE mostram que, em um período de 10 anos, foram muitas as mudanças no perfil da população

    Monumento da UFMS, uma das universidades mais disputadas no Estado. (Foto: Alcides Neto)

    No período de dez anos, foram muitas as mudanças no perfil da população de Mato Grosso do Sul, Estado que nesta terça-feira (11) comemora 39 anos. O número de pessoas com nível superior, por exemplo, saiu de 67.100 no ano 2000 para 166.902 em 2010, um acréscimo de 148,73%, segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

    Outro sinal da mudança de perfil: apesar de o número de casamentos oficiais ter aumentado 25,38%, a união estável é que mais tem atraído quem vive em Mato Grosso do Sul. O acréscimo foi de 46,94%.

    Na avaliação do sociólogo Paulo Cabral, atualmente tem sido usual os casais preferirem ficar um tempo convivendo em união estável para depois decidirem se querem de fato casar.

    “Esse casamento informal acaba sendo a opção de alguns casais antes de partirem para as núpcias oficiais. Seria um jeito de verificar se de fato é isso o que desejam. Em outra análise a legislação também passou por mudanças e já oferece garantias análogas a quem vive em união estável. Um tempo atrás isso não era possível, então era necessário oficializar a união para assegurar direitos”, analisa.


    A professora Isabella Medeiros é um exemplo de quem escolheu a união estável. Ela namora há dois anos e há um ano vivencia esse tipo de união. Grávida de seis meses ela e o marido pretendem se casar.

    “Já estamos pensando em oficializar o casamento, possivelmente antes do bebê nascer, mas será apenas no civil”, disse. Ela acrescentou que a oficialização atende a orientação da família dela. O corretor de imóveis Mário Roberto de Souza Filho reforça as palavras de Isabella. “Nossa intenção é oficializar no cartório mesmo. A minha família também orienta que seja assim”, disse.

    O número de casamentos de caráter civil e religioso aumentou em 6,44% no período de 10 anos; o religioso 13,18% e o número de solteiros, segundo o IBGE aumentou quase 25%.


    Escolaridade 

    Além da questão da união conjugal, o acesso ao nível superior também chama a atenção quando analisados os dados do IBGE. Em 10 anos, houve um grande salto em Mato Grosso do Sul.

    No ano 2000 eram 67.100 graduados, o número de habitantes era de 2.064.070. Em 2010 o número de pessoas com nível superior subiu para 166.902 e o de habitantes para 2.434.345.

    O avanço, na leitura do sociólogo, deve-se a expansão da oferta de educação superior, que vai desde a ampliação de vagas e programas do governo, até o oferecimento da educação a distância. “Um exemplo são os cursos EaD (Educação a Distância), cuja modalidade começa a expandir em 2005, 2006. Com todas as formas de acesso disponíveis hoje, em 2020 este número será ainda mais acentuado”, projetou.

    O funcionário público Galdino Afonso Vilela Neto tem duas faculdades, uma presencial e outra na modalidade a distância. Ele compartilha da opinião de Paulo Cabral com relação às facilidades de acesso.

    Formado em Direito em 2003, curso presencial, ele terminou o curso a distância de Análise e Desenvolvimento de Sistema em 2014 e já está cursando pós-graduação em engenharia de software, também na modalidade a distância. “Optei pela EaD por conta da facilidade de estudar em casa, de poder ficar com a família. Mas isso exige muito mais dedicação do aluno também”, disse.



    Fonte: campograndenews
    por: Christiane Reis
    Link original: http://www.campograndenews.com.br/cidades/ao-longo-dos-anos-ms-viu-populacao-casar-menos-e-estudar-mais

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS