Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    quinta-feira, 27 de outubro de 2016

    Marun comemora aprovação da PEC 241 na Câmara dos Deputados

    deputado federal Carlos Marun (PMDB-MS) - Divulgação 

    Nesta semana, o deputado federal Carlos Marun (PMDB-MS) comemorou a aprovação da PEC 241 na Câmara dos Deputados. Projeto esse que é tido como prioridade da gestão do governo do presidente Michel Temer para reequilibrar as contas públicas.

    A PEC foi aprovada pelos deputados na madrugada de quarta-feira (26) em votação no segundo turno por 359 votos a 116 e o próximo passo, passará pela apreciação dos senadores. “Mais uma vitória para o Brasil, vamos construir um caminho de crescimento sustentável, com responsabilidade e eficiência na gestão dos gastos públicos. Temos que confiar, o tempo vai provar que nós estamos certos e eu fico feliz por ter sido outra vez protagonista de mais um momento histórico para o país”, afirmou o deputado sul-mato-grossense.

    A PEC 241 prevê que, nos próximos 20 anos, os gastos da União (Executivo, Legislativo e Judiciário) só poderão aumentar conforme a inflação do ano anterior e a partir do décimo ano, porém, o presidente da República poderá propor ao Congresso uma nova base de cálculo.

    Segundo Marun, esse crescimento sustentável da nação brasileira, trará consigo a geração permanente de emprego. "Não existe nenhuma colocação no sentido de redução de gastos com a saúde e a educação. Daqui para frente, o crescimento dos gastos públicos vai ter um teto e dentro desses limites, temos que fazer com que a nação avance, trocando a irresponsabilidade pela eficiência dos gastos públicos e isso permitirá a construção de um novo Brasil, muito melhor do que esse que vivemos hoje", finaliza.

    Já no Senado Federal, o projeto recebeu um novo número, PEC 55. A mudança da numeração não implica necessariamente na mudança do conteúdo proposto. De acordo com a Secretaria Geral da Mesa, a modificação ocorre para organizar o sistema do Senado. A proposta já foi remetida à Comissão de Constituição do Senado e, posteriormente será analisada em dois turnos pelo plenário.



    Fonte: ASSECOM

    Imprimir

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS