Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    segunda-feira, 1 de agosto de 2016

    Baiano depõe no RJ e confirma propina a Cunha, diz advogado

    Deputado afastado e sua defesa acompanharam depoimento de quase 3h. Lobista reiterou acusações feitas em delação premiada, afirma Sérgio Riera. 

    lobista e delator Fernando Baiano - Reprodução/TVGlobo

    Sérgio Riera, advogado do lobista e delator Fernando Baiano, afirmou que seu cliente confirmou em depoimento na Justiça Federal no Rio nesta segunda-feira (1º) as acusações contra o deputado afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) que já tinham sido feitas em seu acordo de delação premiada no âmbito da operação Lava Jato.

    Baiano e os ex-diretores da Petrobras Nestor Cerveró e Paulo Roberto Costa depuseram como testemunhas de acusação em um dos processos da Lava Jato em que Cunha é réu. O deputado afastado acompanhou a sessão junto com seus advogados.

    "Ele confirmou ter intermediado pagamentos ao deputado afastado Eduardo Cunha. Os valores chegavam por intermédio de Alberto Youssef, a mando de Julio Camargo, e eram entregues a uma pessoa da confiança de Cunha, num escritório no Centro do Rio", afirmou Riera. Segundo o defensor de Baiano, os advogados de Cunha fizeram diversas perguntas.

    Baiano também afirmou ter entregado cerca de R$ 4 milhões a Cunha, em diversos pagamentos, ainda segundo o advogado. Cunha já negou as acusações por diversas vezes — inclusive no Conselho de Ética da Câmara, durante seu processo de cassação.

    Baiano foi a terceira e última testemunha ouvida nesta segunda na 9ª Vara Federal Criminal do Rio. Outros três depoimentos estão marcados para terça (2), a partir das 10h. Os depoimentos são colhidos por Paulo Marcos de Farias, juiz assistente do Supremo Tribunal Federal (STF) e auxiliar do ministro Teori Zavascki, responsável pela ação contra Cunha.
    Eduardo Cunha chega para acompanhar depoimentos da audiência no Rio (Foto: Alessandro Ferreira/G1)

    Cunha sai pelos fundos

    O deputado afastado e ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), chegou por volta das 14h à sede da Justiça Federal no Rio, onde foram ouvidos Fernando Baiano, Nestor Cerveró e Paulo Robero Costa e deixou o fórum pelos fundos após o fim da audiência. Ele é suspeito de desviar dinheiro público em contratos de fretamento de sondas para a Petrobras.

    As três testemunhas chegaram antes de Cunha e também não falaram com jornalistas. Cerveró e Baiano cumprem prisão domiciliar atualmente, enquanto Costa já foi beneficiado pela progressão de regime e está no regime semiaberto.
    Ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa deixa
    prédio da Justiça Federal no Rio após depoimento
    (Foto: Alessandro Ferreira/G1)

    Paulo Roberto Costa deixou a Justiça Federal por volta das 15h, após prestar depoimento. Ele falou por cerca de 50 minutos e saiu sem falar com a imprensa. Pouco depois foi a vez de Cerveró sair, também sem falar com a imprensa. Seu depoimento levou cerca de 1 hora.

    As testemunhas foram indicadas pelo Ministério Público na primeira ação penal aberta contra Cunha (sobre o recebimento de propinas na contratação de navios sonda pela Petrobras em 2006 e 2007). A ex-deputada federal e atual prefeita de Rio Bonito (RJ), Solange Almeida, também é alvo do processo.

    Entrega das chaves

    Também nesta segunda (1º), Cunha entregou as chaves da residência oficial da presidência da Câmara. Ele renunciou ao cargo no dia 7 e tinha até sábado (6) para entregá-las. Agora, poderá morar em um apartamento funcional destinados aos demais parlamentares, apesar de ter sido afastado do mandato pelo STF e responder a processo de cassação na Câmara.



    Do G1 Rio
    Por: Alessandro Ferreira

    --

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS