Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    13/12/2018

    Sanesul Participa de Projeto de Eficiência Energética

    Colaboradores da Empresa de Saneamento de Mato Grosso do Sul assistiram ao quarto encontro de Rede de Aprendizagem na semana passada em Bonito

    ©DIVULGAÇÃO
    A Sanesul participa do Projeto de Eficiência Energética em Sistemas de Abastecimento de Água (ProEESA). Esse programa nasceu em janeiro de 2016, fruto da cooperação técnica entre o Ministério das Cidades e o Ministério Federal da Cooperação Econômica e do Desenvolvimento (BMZ) da Alemanha, através da Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental e da Cooperação Alemã Para o Desenvolvimento Sustentável (Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit – GIZ) – cujo objetivo é melhorar as condições para implantação de medidas de eficiência energética, para aproveitar o potencial de economia existente nos sistemas de abastecimento de água para consumo humano.

    Segundo o diretor Onofre Assis, o programa tem sua execução por meio de “Redes de Aprendizagem em Eficiência Energética”, visando à redução de perdas de água, o uso eficiente de energia elétrica e se encontra sistematizado no Acordo de Cooperação Técnica nº 1242846/2018/GINF/DPLAR/SNSA - Processo n.º 80120.000202/2018-61, celebrado entre a União, representada pelo Ministério das Cidades, a Empresa de Saneamento de Mato Grosso do Sul e a Agência Estadual de Regulação de Serviços Públicos de Mato Grosso do Sul.
    ©DIVULGAÇÃO
    A iniciativa é composta de 16 sistemas de abastecimento de água da Sanesul em parceria com a Agepan, sob supervisão do Ministério das Cidades, onde desde junho, 45 colaboradores da Sanesul que atuam diretamente na operação dos sistemas de abastecimento de água, participam da Rede de Aprendizagem e apresentam as boas práticas adotadas pela empresa, informou o diretor Comercial e de Operações da Sanesul, Onofre Assis de Souza.

    As sessões de trabalho com oito encontros programados de junho/18 até abril de 2019, incluem a troca de experiências entre os participantes, moderadas por profissionais, bem como treinamentos específicos e acompanhamento por especialistas ao longo do processo de elaboração dos Planos de Gestão de Perdas e de Energia, explicou a engenheira de Energia Jessica Rocha Gama, assessora técnica do ProEESA.

    Ao final da agenda, espera-se que 16 sistemas contenham um plano de redução de perdas de água e de energia, que podem e devem subsidiar a elaboração ou revisão dos respectivos Planos Municipais de Saneamento Básico (PMSB). Além disso, terão uma lista de intervenções administravas e eventuais medidas de investimento na área de perdas e de eficiência energética,informou o diretor Comercial e de Operações da Sanesul, Onofre Assis de Souza.

    O primeiro evento foi realizado em junho/18, na cidade de Dourados. O segundo encontro aconteceu em Três Lagoas no mês de agosto/18, o terceiro em Ponta Porã – mês de outubro/18 e o quarto no período de 03 a 05/dezembro/18 em Bonito”. Não é só a reunião, tem estudos e exercícios práticos para serem concluídos após cada etapa, onde cada empregado participante tem sua tarefa de preenchimento de relatórios com elaboração e formatação de projetos alinhados a questão de eficiência energética”, comentou o gerente de manutenção, engenheiro Ubirajara Marcheti dos Santos.

    Para o gestor de processo da Gerência de Abastecimento de Água da Sanesul, engenheiro Alexandre Santos Andrade Monteiro, com o ProEESA, medidas de procedimentos vêm sendo criadas pelo grupo com orientações de profissionais renomados internacionalmente. A troca de informações, segundo Alexandre, também vem assegurando a divulgação do trabalho da Sanesul. “No 30º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental, no Rio Grande do Norte, os resultados obtidos com a implementação de uma medida de eficiência energética aplicadas ao sistema de telemetria existente no sistema de abastecimento de água de Três Lagoas foram destacados”, comentou Alexandre Monteiro.

    O artigo do assistente técnico operacional da Regional Bolsão Três Lagoas, Édipo Tiago Furlan, explica a importância das medidas de eficiência energética para a sustentabilidade financeira da companhia, uma vez que, se alcançou a redução de custos, mesmo com o crescente aumento da tarifa de energia elétrica e das bandeiras tarifárias. “O sistema analisado atende uma população de cerca de 105 mil habitantes, com mais de 46 mil ligação de água ativas, é composto exclusivamente por captação subterrânea com: 27 poços, cuja produção total de 2033 m³/h; 15 estações elevatórias de água tratada; catorze reservatórios elevados, um reservatório apoiado e seis reservatórios enterrados com capacidade total de reservação de 9500 m³”, citou o assistente técnico da Sanesul.

    Para Édipo Furlan, esse destaque é o reconhecimento de boas práticas da Sanesul. “Fiquei muito satisfeito com a publicação”, ressaltou o colaborador da Sanesul.

    Rede de Aprendizagem

    Para a coordenadora do ProEESA, engenheira Rita Cavaleiro de Ferreira, natural de Portugal, representante no Brasil da Cooperação Alemã Para o Desenvolvimento Sustentável (Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit – GIZ), a Sanesul tem um plano diretor de redução perda eficiente. “Até agora ainda não tínhamos visto um Plano tão enxuto, tão executivo quanto este. A coleção de indicadores selecionada está bastante boa, completa e se nota que é fruto de muita reflexão por parte de técnicos especializados”, comentou Rita Cavaleiro.

    Ela explica que a Rede de Aprendizagem é formada com o objetivo de resolver problemas em comum. “Para tanto são constituídos ao menos três grupos fundamentais: organizadores, especialistas e participantes. Os organizadores são responsáveis pela constituição da rede, pela seleção das empresas ou regionais participantes, pela definição dos temas a serem abordados, pela seleção dos especialistas, calendários e programações, logística, acompanhamentos e emissão de relatórios”, disse.

    Segundo informações do gerente do Abastecimento de Água, engenheiro Elthon Santos Teixeira, os especialistas apoiam os organizadores na escolha dos temas abordados, elaboram conteúdos, aplicam, orientam e acompanham a realização de atividades (exercícios e atividades). “Aos participantes cumpre a responsabilidade pela assiduidade, realização das atividades e o alcance dos objetivos”, explicou.

    Ao se interessar pelo conteúdo desse guia, segundo Rita Cavaleiro, entende-se que o leitor já identificou o problema a ser resolvido. Caminha-se então para a seleção das empresas ou regionais participantes que podem ser nomeadas ou convidadas por meio de chamada pública. Fichas de avaliação, análise de indicadores ou cartas motivacionais, são mecanismos que podem ser adotados de forma conjunta ou individualmente para a seleção dos participantes. Rodadas de reuniões com a alta direção podem ser interessantes nessa etapa de seleção. Ainda no processo de seleção, são nomeados os técnicos que integrarão a rede. “Assim, a Sanesul foi escolhida e, hoje, encontra-se na Rede de Aprendizagem”, justificou.






    ASSECOM



    Imprimir