Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    10/12/2018

    Com presidência encaminhada, disputa agora é pela 1º secretaria

    Zé Teixeira (DEM) e o chamado "G8" buscam votos para ficarem com o segundo cargo mais importante do legislativo

    Deputados Paulo Corrêa (PSDB), Beto Pereira (PSDB) e Zé Teixeira (DEM), durante sessão na Assembleia ©DIVULGAÇÃO/ALMS
    Com a escolha da presidência encaminhada, já que Paulo Corrêa (PSDB) dispõe de 21 votos na Assembleia, o foco da mesa diretora é a disputa pela 1° secretaria, que é considerado pelos deputados o segundo cargo mais importante do legislativo. Entre os pretendentes está o deputado Zé Teixeira (DEM) e o “G8”, que é um grupo formado por cinco partidos, que tem o interesse de indicar um representante para função.

    A primeira-secretaria sempre foi um cargo “cobiçado” na Assembleia, por se tratar do responsável pelas finanças e folha de pagamento do legislativo. Na maioria dos casos, a escolha do presidente da Assembleia segue alinhado com esta função, já que os parlamentares vão precisar desta parceria para administrar a Casa de Leis.

    Nos últimos quatro anos, a função ficou com o deputado Zé Teixeira (DEM), em parceria com Junior Mochi (MDB), atual presidente. O democrata tem o interesse de seguir no cargo e para isto busca os votos dos colegas. Ele adiantou que já teria oito apoiadores, precisando de mais cinco para conseguir a maioria.

    Também acredita que antes da eleição, vai se chegar a um “consenso” entre os colegas. “Na Assembleia nunca teve disputa, sempre houve consenso, acredito que vai seguir o mesmo caminho. Se conseguir os votos necessários fico com o cargo, mas se outra pessoa tiver maioria, não tenho problema em apoiar”, disse o parlamentar.

    Grupo 

    O grupo formado por oito deputados, de cinco partidos diferentes, também tem interesse no cargo. Eles buscam a adesão de mais integrantes, para ter votos suficientes para eleger seu representante.

    Fazem parte desta composição: Herculano Borges (SD), Lucas de Lima (SD), Carlos Alberto David (PSL), Renan Contar (PSL), Evander Vendramini (PP), Gerson Claro (PP), João Henrique Catan (PR) e Neno Razuk (PTB).

    “O grupo está cada vez mais forte e a intenção é ter mais adesões. O nosso objetivo é ficar com a primeira-secretaria, por isso vamos brigar até o final”, disse Carlos Alberto David (PSL) . Ele explicou que no momento a estratégia é ter mais representantes, para depois definir o nome ao cargo.

    A eleição da mesa diretora da Assembleia vai ocorrer no dia 1° de fevereiro de 2019. O pleito não é composto por chapas, e sim cada cargo é disputado de forma separado, por votação. A tradição da Assembleia é sempre buscar um “consenso” para todos os cargos antes da eleição, para evitar disputa de votos no dia.

    Fonte: campograndenews
    Por: Leonardo Rocha



    Imprimir