Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    15/11/2018

    Jovem baleado durante execução do pai está em estado grave

    Conforme a assessoria de imprensa da Santa Casa, o paciente está entubado, sedado, com dreno torácico e passa por avaliação médica

    Crime aconteceu no portão da garagem da residência das vítimas ©Paulo Francis
    Gabriel Yuri de Moura Simeão, 22 anos, baleado no tórax durante execução do pai, Cláudio da Silva Simeão, 48 anos, empresário do ramo de mineração, na madrugada desta quinta-feira (15), está internado em estado grave na área vermelha do pronto socorro da Santa Casa. O crime aconteceu na Rua Patagônia com Antônio Vieira, no Jardim Bela Vista, em Campo Grande.

    Conforme a assessoria de imprensa da unidade de saúde, o paciente está entubado, sedado, com dreno torácico e passa por avaliação médica. O advogado do empresário, Danny Fabrício Cabral Gomes, disse que a família está arrasada e ainda não acredita no que aconteceu. “Isso tudo é muito pesado. Cláudio era um homem bom. Não tinha envolvimento com coisa errada. Ele tinha algumas ações judiciais, mas não se sentia confortável em falar sobre o assunto”. Cláudio era dono de uma mineradora em Corumbá. Ele deixou dois filhos e uma neta. 

    Execução 

    Gabriel dirigia uma caminhonete Toyota Hilux e tinha como passageiros o pai e um amigo de 22 anos, quando foi interceptado na entrada do portão da residência por dois homens em um Chevrolet Onix de cor escura. O passageiro desceu e atirou pelo menos 13 vezes contra a Hilux. Cláudio foi atingido por dois disparos, sendo no braço e nas costas.

    Ele morreu no local. Gabriel foi baleado e socorrido à Santa Casa. O amigo da família foi atingido pelos estilhaços do vidro da caminhonete, mas não precisou de atendimento médico. Após a ação, a dupla fugiu e ainda não foi localizada. 

    Segundo o delegado Antônio de Souza Ribas, que atendeu a ocorrência, o filho havia acabado de buscar o pai no Aeroporto. Cláudio voltava do Rio de Janeiro, onde havia ido tratar de negócios. A Polícia Civil afirma que já sabe a identidade dos suspeitos. O motivo do crime não foi divulgado para não atrapalhar as investigações. O caso foi registrado na Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) Centro.

    Fonte: campograndenews
    Por: Viviane Oliveira e Bruna Pasche



    Imprimir