Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    29/10/2018

    Murilo diz que será vice "com espaço administrativo" na nova gestão

    Murilo Zauith (DEM) volta a ocupar o cargo de vice-governador, depois de oito anos

    Reinaldo Azambuja (PSDB) ou lado de Murilo Zauith (DEM), durante convenção do PSDB ©Arquivo
    O vice-governador eleito, Murilo Zauith (DEM), afirmou que não terá uma “participação simbólica” no novo mandato de Reinaldo Azambuja (PSDB) e que ao contrário já combinou com o governador, que vai dispor de “espaço administrativo” na nova gestão, que se inicia em janeiro de 2019.

    “Já conversamos que terei um espaço administrativo, mas ainda iremos retomar esta conversa para definir qual será. O Reinaldo (Azambuja) vai promover uma transição do primeiro para o segundo mandato,m com mudanças nas secretarias e órgãos do governo”, disse Murilo em entrevista ao site Campo Grande News.

    Murilo também ponderou que o DEM, que esteve ao lado de Azambuja durante a campanha, também terá seu devido “espaço” na nova administração, com cargos no primeiro escalão. “O Estado está arrumado e agora vai ter mais investimentos, até porque o Brasil entra em uma nova fase positiva”.

    O democrata ainda destacou que agora Dourados, a segunda maior cidade do Estado, volta a ocupar a gestão estadual, retomando o cargo de vice-governador, que foi exercido inclusive por ele, no primeiro mandato de André Puccinelli (MDB), que ocorreu de 2007 a 2010. “Vamos responder esta representação com obras e um olhar especial para cidade”.

    Bolsonaro 

    Murilo comentou sobre a vitória de Jair Bolsonaro (PSL), para o cargo de presidente da República. Ele revelou que tem ótima relação com o futuro chefe da Casa Civil, o deputado federal Onyx Dornelles Lorenzoni (DEM – RS), que além de ser do mesmo partido, foram colegas em Brasília.

    “Temos uma boa relação, já que estávamos juntos na trincheira da oposição ao governo do PT em Brasília, como deputados federais. É um amigo que tive em Brasília e terei esta boa interlocução no governo federal, para defender as pautas de Mato Grosso do Sul”.

    Fonte: campograndenews
    Por: Leonardo Rocha



    Imprimir