Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    05/10/2018

    CHAPADÃO DO SUL| Fundação Chapadão monitorando as pragas

    Armadilha luminosa instalada na Fundação Chapadão ©Divulgação
    As primeiras lavouras de soja na região dos Chapadões já estão emergidas. Nestes primeiros talhões com a soja em início de desenvolvimento, o produtor e seu técnico devem estar atentos ao ataque das pragas iniciais. Estas pragas geram prejuízos algumas vezes irreversíveis, levando a ressemeadura das áreas. 

    Entre as pragas encontradas nestas primeiras semanas de outubro, se destacaram Elasmopalpus lignosellus (Lagarta Elasmo), Spodoptera spp. (Lagarta Spodopotera) e Helicoverpa armigera (Lagarta Helicoverpa), além de outras com baixíssima ocorrência. 

    A Fundação Chapadão apresenta uma área de observação – “sentinela”, para constatação de possíveis pragas que porventura possam ocorrer, e até o momento nenhuma aplicação foi realizada para o controle de pragas. 

    A população de destaque nestas últimas semanas foi a de Helicoverpa armigera que neste momento estão saindo da fase de pupa, para a primeira geração de adultos que irão colonizar as culturas do sistema de produção da região do Chapadões. Logo teremos lagartas nas áreas, devendo o produtor se atentar ao bom monitoramento, haja visto que as mesmas requerem uma melhor observação nos campos, a fim de se trabalhar o manejo principalmente com lagartas pequenas. 
    Área de observação – Sentinela na Fundação Chapadão – safra 2018/2019 ©Divulgação
    Ainda no programa de monitoramento-armadilhamento da Fundação Chapadão, observou-se mariposas de Spodoptera frugiperda porém com comportamento abaixo do ano anterior, no entanto não se pode descuidar, haja visto que esta praga, pode também levar a grandes prejuízos na fase inicial das culturas de soja, milho e feijão. 

    Para o produtor que esta dessecando, uma estratégia que pode fazer a diferença é olhar a presença das pragas antes, e se necessário utilizar de algum inseticida, a fim de evitar que estas venham atacar a cultura após a emergência. 

    Para maiores detalhes os pesquisadores e técnicos da Fundação Chapadão estão à disposição para o manejo das referidas pragas. O nosso telefone para contato é 67.3562-2032. 

    Fonte: Equipe Pragas e Plantas Daninhas - Fundação Chapadão 


    Imprimir